Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2017

Na Islândia, o Natal tem cheiro de papel

Lima Barreto, uma voz que nasceu negra na literatura

Lima Barreto
Em biografia de Lilia Schwarcz, escritor discute o racismo no Brasil recém saído da escravidão.
"No topo da ficha da primeira internação de Affonso de Henriques de Lima Barreto no Hospício Nacional, o escritor é identificado como branco. O ano era 1914, o diagnóstico alcoolismo, a cidade Rio de Janeiro. Logo abaixo do cabeçalho, contudo, uma foto em sépia desmente a informação sobre sua cor. Assim como um sem número de intelectuais e homens públicos brasileiros, que eram negros, mas foram repetidamente retratados como brancos, Lima, ainda em vida, foi tomado pelo que não era. No seu caso, contudo, o “branqueamento” é ainda mais absurdo, pois ser negro, no último país a abolir a escravidão no mundo, foi questão central da vida e obra do escritor brasileiro."



Lima Barreto em sua primeira internação por alcoolismo

“Nos personagens, nas tramas, em escritos pessoais, a atenção para a questão racial e as descrições dos tipos físicos dos personagens estão sempre em evidên…