Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

TARDES MUSICAIS NO LAGO

Se tem algo que vem mudando as tardes de domingo dos guarapuavanos, isso, sem dúvida ,é o evento Tardes Musicais no Lago. Projeto inovador, realizado pelo jornalista Mauro Biazi, que, com o desejo de contribuir para a cultura musical da cidade, tomou a iniciativa: “Ouvi um saxofonista tocando no Lago, certa vez, e pensei em um dia criar um evento que reunisse os músicos e cantores locais. Até que em dezembro passado, decidi colocar em prática, convoquei um músico, depois outro chegou no deck do Lago... e, assim, nasceu as Tardes Musicais no Lago”.       O que chama muito a atenção é a repercussão da ideia junto à população. A cada domingo, mais e mais pessoas estão participando, famílias, amigos, crianças, pessoas que levam seus animais de estimação, ou seu piquenique, todos reunidos em torno de um ambiente com boa música e um por do sol incrível. Isso e muito mais, vem tornando as Tardes Musicais no Lago, um verdadeiro sucesso.       Segundo Mauro, o objetivo do projeto foi a criação …

Do interior para o mundo

A grande maioria dos meninos tem ou já tiveram o sonho de ser um jogador de futebol. O esporte faz parte da cultura do nosso país e, desde pequenas, as crianças sonham com o que ele pode proporcionar.

João Paulo Kuspioski, goleiro sub-20 do Flamengo, Tiago Machowski, goleiro sub- 20 do Grêmio, e Alexandre Gralak, zagueiro do Caxias, são três representantes da cidade de Irati, localizada há 105 Km de Guarapuava, que tiveram a oportunidade de realizar seus sonhos dentro das quatro linhas.

Machowski defende a categoria de base do Grêmio há 6 anos, já se sagrou campeão da 11ª Copa Internacional do Mediterrâneo, com a camisa amarela da seleção brasileira sub-18. Atuou pelo profissional no campeonato Gauchão e foi convocado para a Seleção brasileira Sub-20, entre outras atuações. Atualmente, Tiago teve mais uma grande oportunidade, foi escolhido para disputar a principal competição da América Latina, a Libertadores.

Alexandre Gralak, também defende um time gaúcho, Caxias, atuando como zagu…

Henrique Borgato

O Paraná sempre foi um estado que produziu talentos em diversas áreas. Uma delas é a literatura: Paulo Leminski, Dalton Trevisan, Helena Kolody, entre tantos outros são exemplos da capacidade literária do estado. Jovens talentos continuam a aparecer, é o caso de Henrique Borgato, que com 17 anos publicou seu primeiro livro, chamado O Estrangeiro: A Guerra dos Quatro. O jovem escritor paranaense nasceu em São José da Boa Vista, no norte do estado e atualmente mora em Guarapuava, cursando jornalismo na UNICENTRO. Com quantos anos você começou a escrever? Comecei a escrever com cerca de 8 anos, eu acho. Sempre fui instruído a ler muito pelos meus pais, e desde muito pequeno tive gosto por escrever as mais variadas histórias. E sem ter prática, creio que com o tempo fui adquirindo-a. Quais seus autores e livros favoritos? JK Rowling, Joseph Delaney e Edgar Allan Poe. E meus livros preferidos são as sagas As Aventuras do Caça Feitiço (Joseph Delaney) e Harry Potter (JK Rowling). Quantos livros …

Neste inverno, aqueça mais que a si mesmo

O inverno está chegando e todos sentimos na pele, literalmente, o quanto nossa Guarapuava é especialista no quesito frio.

Em 2013, nossa cidade foi palco de um grande espetáculo, flocos de neves caíram sobre o Paraná e Gorpa foi uma das cidades privilegiadas por este fenômeno, raro no Brasil. Bonecos foram feitos, as ruas se tornaram imensos tapetes brancos, onde pegadas eram deixadas. A temperatura era de 0 grau, comidas e bebidas quentinhas tornaram-se parte do cardápio, assim como bons casacos, usados para amenizar a baixa temperatura.
Este ano, não sabemos se vamos ser contemplados com a neve, mas o frio é certo. Porém, você já parou para pensar naqueles que não possuem um casaco, um gorro, luvas ou cachecóis para se esquentar?
Normalmente pensamos sempre em nós e acabamos esquecendo o próximo, assim o CACOS, Centro Acadêmicos de Comunicação Social, da Unicentro, está com um projeto para doações de agasalhos, que já está no segundo ano de atividade.
“A primeira arrecadação que a gente…

A América por John Ford

A mostra "A América por John Ford" foi pensada pelo Departamento Nacional do SESC (RJ), com o intuito de oferecer uma oportunidade de conhecer parte importante da filmografia do diretor de cinema norte-americano, que deu origem ao estilo "faroeste". As mostras serão exibidas no Cine Unicentro, do Campus Santa Cruz. A apresentação composta por oito obras deseja apresentá-lo como um diretor capaz de fazer filmes com temáticas diversas, mas alicerçadas na história norte americana. Médico e Amante (1931) é um bom exemplo de um típico drama; As vinhas da Ira (1940), de um drama social; O Prisioneiro da Ilha dos Tubarões (1936), de uma aventura dramática; Juiz Priest (1934), de uma comédia de costumes; e A mocidade de Lincoln (1940), de um drama político. O faroeste completa a mostra com três clássicos indubitáveis: No tempo das diligências (1939), Rastros de ódio (1956) e O homem que matou o facínora (1962). Sobre a parceria com a Unicentro,  a Técnico de Atividades  …

12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave) – Vencedor do Oscar 2014

O Gorpacult traz a resenha do filme 12 anos de escravidão, grande campeão do Oscar, filme que arrebatou todos seus telespectadores, emocionou e está conquistando a cada dia que passa, mais seu espaço entre os melhores filmes do momento. Imperdível para qualquer amante da sétima arte. 12 Anos de Escravidão, é baseado em fatos reais da autobiografia de Solomon Northup, um homem que luta pela sua sobrevivência e liberdade. Nos Estados Unidos antes da Guerra Civil, Northup, um homem negro e livre do estado de Nova York é sequestrado e vendido como escravo. Enfrentando a crueldade do perverso dono de escravos, bem como inesperadas gentilezas, Solomon luta não só para sobreviver, mas também para manter sua dignidade. Após 12 anos de sua inesquecível luta, um encontro ao acaso com um abolicionista canadense muda sua vida. 12 Anos se torna grandioso e necessário, por não ter medo de críticas quanto à exposição da brutalidade e da falta de amor e compaixão existente nos homens brancos daquela é…