Pular para o conteúdo principal

A casa de um Visconde

Um Casarão localizado na quase bicentenária Guarapuava, nada de anormal se não fosse a única construção colonial em torno da Praça 9 De Dezembro. Este é o museu Visconde de Guarapuava que durante décadas preserva a cultura guarapuavana, além de guardar ilustres objetos da cultura europeia.




O monumento preserva traços de um Brasil imperial, foi construído por volta de 1841, por mãos de escravos. Nele viveu Antônio de Sá Camargo, o Visconde de Guarapuava, que comprou o casarão depois de deixar suas terras "Fazenda da Boa Cria" que se localiza no municipio de Pinhão, região de Guarapuava. Atualmente, essas terras pertencem a uma família da região, como conta Rosana Ferreira, professora de História e funcionária do museu.



Antônio de Sá Camargo recebeu seu título de Visconde das mãos de D. Pedro II, isso por sua bravura na Guerra do Paraguai e pelos serviços prestados ao Império. No casarão de sua nova cidade, castigou escravos dentro de uma pequena senzala, que ainda hoje resiste em ruínas. Depois da morte do Visconde, o casarão foi deixado para seus sobrinhos, ja que ele não deixou filhos, conta a historiadora. A Residência foi alugada e se tornou uma pensão, depois residência de duas senhoras, sala de aula e até uma biblioteca. No ano de 1948 foi comprado pela prefeitura de Guarapuava e transformado em museu.


A casa grande não preserva a sua arquitetura original, a cozinha que ficava ao lado da senzala foi demolida, o terreno que se estendia até ao calçadão foi reduzido, mas a construção ainda preserva grande parte da sua originalidade, porém dos objetos que podem ser apreciados pelos visitantes e turistas nada pertenceu ao lendário Visconde.


Esses objetos foram doados pelas mais importantes famílias guarapuavanas, todos pertenciam aos seus antepassados, a maioria de origem europeia. Existem objetos simples como lamparinas, lampiões, e ferros de passar a brasa. Também podem ser encontradas as tradicionais panelas de ferro e talheres, existe também uma finíssima sopeira em porcelana inglesa, datada de 1888, e um relógio alemão de 1930.


Objetos que eram usados pelos escravos, mas que não pertenceram ao visconde, como ressalta Rosana, são encontrados também, e podem gerar na cabeça dos visitantes uma ideia de como era o trabalho. São Manjolos, forno de torrar farinha, além da palmatória usada para os castigos. A arte também aparece retratada em esculturas, tanto de madeira como de argila e nos quadros retratados por artistas guarapuavanos e paranaenses, inclusive o retrato do Visconde de Guarapuava.


O casarão resiste ao tempo, hoje se destaca entre as construções gigantes e modernas. De fora vemos um passado que com o tempo foi cercado pelo presente, mas que não perdeu a elegância e nobreza. Dentro vemos objetos que ilustram o passado das famílias e da cidade, um passado que ajudou a escrever e estruturar o presente e o futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…