Pular para o conteúdo principal

Sem controle




Havia uma espécie que se achava superior as demais, ela era tão astuta que enganava sua própria raça. Um dia, há muito tempo, ela descobriu que poderia ser dona de tudo e de todos, usando somente sua mente, isso mesmo!

Ela começou a inventar, criar, desenvolver formas que a poria no topo do mundo, e assim, começou a história que destruiria ela própria.

Começaram a inventar coisas maravilhosas, e diziam:

- Isso vai fazer a vida de todos muito mais simples.

Inventaram uma coisa chamada carro e outra muito mais brilhante chamada avião, vocês já devem ter ouvido falar! Mas, acontece que tudo isso foi para o seu próprio mal, eles só pensavam em si mesmos e, Poder! Poder! Poder!

Um dia, dois Estados brilhantes- os chamarei aqui de “O Primeiro” e o outro “Quero ser o Primeiro”- resolveram medir suas forças, o vencedor, é claro, teria posse de todas as riquezas do outro e ainda poderia manipular aqueles mais fracos. E eles começaram a usar o “raciocínio” como assim chamavam.

E começou a batalha. Inventaram uma arma tão poderosa que poderia destruir milhares de vidas; e assim aconteceu, começaram a matar sua própria espécie, para que pergunto eu? Mas eles achavam que tinham razão no que faziam.

“O Primeiro” foi a vencedor, e continuou manipulando os fracos por muito tempo, sem que ninguém o tocasse, mas daí – BUM! Milhares de vidas perdidas novamente! E dessa vez usaram o avião: aquela invenção que eu comentei anteriormente.

E daí, bla bla bla, todos caíram em si que não pensavam mais do que uma galinha. Mas, já era tarde demais pra voltar, tarde porque demoraria muito tempo para colocar na sua pequena massa cinzenta, que ela deveria agir de maneira diferente. Isso demoraria séculos, e eles não tinham mais todo esse tempo. A sua espécie já estava comprometida.

- Paz, Paz -gritavam aos surdos.

No entanto a terra não perdoou, ela estava destruída por aquele ser que se achava tão especial, e não aguentou mais, tudo o que o homem fez começou a voltar contra ele.

Deixe-me abrir um parênteses aqui, você ainda lembra da arma poderosa? Eles a chamavam de bomba atômica, depois de destruir várias vidas, ele ainda continuou a usá-la. Pois é, virou um tipo de energia que fazia a vida deles continuarem boas e coisa assim.

E um dia o Estado “Quero ser o Primeiro”, olha só que ironia, ele sofreu mais uma vez com a tal invenção , não foi sua intenção, longe disso eu dizer isso aqui, mas foi mais uma, dos vários erros que o humano cometeu e, que não conseguiram contornar a situação, às vezes eu penso que mais da metade deles não ligavam para o que estava acontecendo, eles só aproveitavam a vida, como algum maluco deixou escrito pra eles.

- Carpe diem- diziam eles.

Eles inventavam um monte de coisa, celular, computador e um tal de IPad. As atenções do mundo viviam voltadas para esse tipo de coisas. E se esqueceram de falar sobre o oxigênio, uma coisa de duas moléculas, tão simples e tão vital, esqueceram da água, do sol, da terra, eles estragaram tudo... Nós estragamos tudo.

Desculpe-me se fiz vocês lerem ate aqui pra dizer que eu também sou um deles, uma das pessoas que destruiu sua própria historia, eu senti vergonha, e sabia que se vocês adivinhassem não leriam até o fim.

Para os sobreviventes de sua própria espécie eu lhe peço que nos desculpe, o erro foi nosso, não façam a mesma coisa, poderia ser tão diferente se nós soubéssemos nos controlar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…