Pular para o conteúdo principal

Uma história de superação

Pés descalços, trabalho na roça, dificuldades financeiras. Isso foi apenas um pouco da infância humilde, daquele que não pode comprar seu primeiro tênis e ganhou de uma antiga professora, o famoso “chinesinho”, um calçado antigo. Durante a manhã estudar, a tarde trabalhar na roça e depois praticar esportes, essa foi a infância e adolescência de Rodrigo Lima, corredor de Guarapuava, que começou sua carreira com a força de vontade no interior de Guarapuava, na localidade de Paiquerê. Um local distante de tudo, mas que não fez com que os sonhos se perdessem. “Antes a gente esperava o ano todo pra correr a São Silvestre de Guarapuava, ou alguma prova que acontecia uma vez por ano na cidade” relembra Lima em meio aos treinos na pista municipal.
Como todos os dias de treino, na manhã da ultima quinta-feira (12), Rodrigo corria na pista ao lado do Ginásio Joaquim prestes, camisa suada, sol da manhã e uma determinação: se preparar para vencer uma maratona. Esse é o sonho de quem diariamente percorre de 10 a 20km e disputa neste fim de semana em Maringá, a Corrida Rústica, como forma de preparação para um anseio maior: A Maratona Internacional de Porto Alegre, a qual quer superar seu tempo ou ainda vencer e chegar ao ponto que tanto luta para conquistar.
Rodrigo tem um currículo admirável pra qualquer esportista, que superando as dificuldades, conseguiu disputar provas de nome nacional, ganhar destaque, como o terceiro lugar no Campeonato Brasileiro em Brasília; o bi-campeonato da Meia Maratona de Florianópolis nos anos de 2002 e 2003, na categoria de 20 a 24 anos. Em 2003 também ficou com o terceiro lugar na 7ª Maratona Ecológica de Curitiba pela mesma categoria e em 2004 sagrou-se campeão da 8ª edição da Maratona Ecológica de Curitiba, na categoria de 20 a 24 anos.
Caminhando para sua sexta maratona ele se mostra confiante e com um sorriso lembra os últimos resultados. “Já estive muito perto de grandes nomes do atletismo, espero um dia vencer uma maratona, mas isso depende de mim, de Deus” conta Lima.


Comentários

  1. Parabéns pela matéria além de limpa, apresenta uma realidade que deve ser apresentada como exemplo de superação pra todos os Guarapuavanos.
    Continuem mostrando os talentos e os valores de nosssa querida cidade.
    Abraços à todos!
    Prof. Pablo de Almeida

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…