Pular para o conteúdo principal

Os missionários da música

A música, durante toda a existência da humanidade, é vista como algo que diverte, relaxa e tranquiliza. A partir da confecção de instrumentos e o nascimento de grandes vozes e talentos, surgem os mais diferentes estilos de músicas. É assim que se consagram grandes nomes e sensações como Elvis Plesley, Beatles, Michael Jackson, Madonna, Roberto Carlos e tantos outros. Hoje em dia os fenomenos continuam surgindo no potente mercado da música, no Brasil o sertanejo universitário é moda. Mas será que seria possível um estilo de música que fugisse a esses padrões? Seria sim, um estilo que deixa de lado os bares, as garagens e palcos para ganhar seguidores dentro das igrejas. Esse é o estilo da música gospel evangélica.


Gospel significa evangelho, as músicas são escritas para expressar os sentimento cristão de uma pessoa ou comunidade religiosa. É bom saber que a definição de música gospel, ou evangélica como é chamada atualmente, depende da cultura do local ou da comunidade onde está inserida. As influências religiosas também interferem na criação e composição das músicas, o gênero musical é produzido por diferentes motivos. Pode ser o gosto pelo estilo de música, o fator religioso e também o mercado musical, que nos últimos anos cresceu de maneira significativa. São pelos temas que essas musicas tratam, Deus, fé, salvação, etc. que fazem com que elas tenham grande aceitação com o público.


Mas o que faz com que as pessoas troquem estilos musicais com grande visibilidade pela música evangélica? Para Samuel Didur, 21 anos, a inspiração está em Deus. "Vejo Deus como a essência da música", comenta. Para ele, cantar música cristã não é ganhar visibilidade, vender cd's e conquistar fãs. É na verdade, através da música, chamar as pessoas para perto de Deus e para os ensinamentos cristãos. Na opinião de Didur, atualmente, a música gospel perdeu identidade. "O gospel de hoje foi transformado pela mídia, virou modinha", afirma. Por isso ele prefere se intitular como um cantor de música cristã.


Esse interesse do jovem pela música evangélica surgiu na infância. Desde criança ele já se interessava pelos instrumentos e pela música, aos 17 anos resolveu aprender bateria e violão. Pegou de um amigo apenas o básico das notas musicais. Daí em diante começou a ouvir as músicas e tirar as letras sozinho. O resultado foi que Samuel aprendeu a tocar os instrumentos sem ajuda profissional, além disso descobriu o seu talento para cantar. Como nasceu em berço cristão, com família que segue as tradições da igreja, ele resolveu que usaria esse talento para transmitir mensagens cristãs.


Mas como todo jovem Samuel também possui seus gostos musicais. Ele adora Metal Core, portanto, resolveu unir seu estilo de música com suas letras cristãs. A ambição deu certo, há seis anos ele canta e toca na igreja em que participa. Atualmente com um grupo de amigos pensa em criar uma banda, não com objetivo financeiro, mas para trazer seguidores através da música. Eles criam suas próprias composições e também traduzem musicas para interpretar. O único problema que muitas vezes incomoda é o preconceito, ele conta que as pessoas muitas vezes enxergam o grupo como coisa de outro mundo. "As pessoas nos olham diferente pelo estilo da música, pelas roupas", afirma. Mas para ele o que importa é a mensagem que está sendo passada.


Agora com a ideia da banda e com o estilo definido, aquilo que ele chama de Metal Core Christian, Samuel pretende continuar com sua empreitada. A banda deve passar de uma ideia para se tornar realidade, e assim, transmitir as ideias de ensinamento não só dentro da igreja, no palco do altar, mas em diversos locais para evangelizar e buscar seguidores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…