Pular para o conteúdo principal

Construindo romances

Corpo e mãos cansadas, o suor escorrendo pelo rosto, essas são apenas algumas pequenas características de quem trabalha na construção civil. Os mestres Pedreiros, que aprenderam com a vida a trabalhar, expõe sua arte no dia a dia com construções que muitos duvidam ser de uma pessoa que não tem o estudo de um engenheiro, mas que consegue com o trabalho e o suor erguer o sonho da moradia. Essa arte pode se comparar a arte de escrever, de contar historias, romances e construir cultura. Enival Francisco Ribeiro foi contemplado com as duas, a de escrever e construir. Pedreiro e leitor apaixonado, Enival escreveu Alma de Herói, inspirado nos contos da Avó, que morreu quando ele tinha apenas 14 anos. “Ela me contava muitas coisas sobre os horrores da Guerra. Durante um bom tempo, estudei e analisei os documentos sobre as duas guerras e depois decidi criar um romance, procurando respeitar as datas, os fatos e também os locais dos acontecidos” conta Ribeiro.

O romance é inspirado na história do Avo que lutou na primeira guerra, como fuzileiro, Paul Limberger, que também dá nome ao personagem. A Alemanha, país natal de Paul vive um período muito complicado de sua história durante as duas Grandes Guerras. A violência dos conflitos e os horrores nazistas impuseram medo e um entorpecimento de valores como a lealdade, o amor e a amizade. É nesse ambiente que PAUL, um menino de origem humilde, é exposto à perda de seus pais, amigos, dignidade, e esperança por um futuro melhor. Em meio a todo sofrimento causado pelas grandes Guerras, um menino descobre o significado do amor e amizade. Após a morte de seus pais e amigos, Paul se vê ameaçado de perder o amor de sua vida, pela ação de oficiais do alto comando do exército nazista. Decidido a resistir, Paul luta por seus valores e sentimentos, mesmo indo contra todo o aparato de guerra do Reich. Disposto a resistir, fiel a seus princípios, ele jura vingança e acaba se envolvendo numa luta dramática pela sobrevivência no caos da guerra. Alma de Herói é um livro construído aos poucos e em suas 461 páginas, o autor consegue repensar conceitos de sentimentos do ser humano, como os valores que o jovem aprendeu a superar na guerra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…