Pular para o conteúdo principal

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.

A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.

Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.

Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.

Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa. Quem conta essa versão da história diz que durante a noite a cobra se alimentava de crianças que eram sepultadas sem serem batizadas, e que quem as oferecia ao animal era um pároco da igreja.
O conto é tão bizarro que, segundo essa versão, a cobra era alimentada enquanto dormia, e que o dia em que ela despertasse, com apenas um movimento a igreja seria demolida. Sem a igreja, a cidade acabaria. Isto porque eram tempos em que a religião católica ainda exercia grande poder perante à sociedade, e suas igrejas eram os pontos mais importantes de um município.

Outra versão dá conta de que o bichano despertaria é com o apito do primeiro trem que chegasse à cidade, já que a espera por ele já passara de quarenta anos. Como tal fato não aconteceu, tiveram de inventar outra continuação para que a lenda não se perdesse.
Foi aí que começaram a dizer que se a Catedral fosse demolida para a construção de uma nova, aí sim a Serpente iria despertar enfurecida, acabando com tudo o que cruzasse seu caminho. Guarapuavanos que acreditavam na lenda e temiam a cobra, impediram a demolição da igreja que estava prestes a acontecer, acreditando-se assim que finalmente a serpente adormeceu para sempre, Guarapuava estava a salvo, e seus restos foram encontrados no cemitério antigo por volta do ano de 2005.
Mas ainda há quem acredite que a cobra está adormecida apenas aguardando o término da construção da primeira estação de trem da cidade, e que assim que o apito do trem soar, ela despertará enfurecida destruindo tudo o que tiver pela frente.

Bem que a cobrona poderia estar debaixo do cavalão do Diogo Portugal, não é mesmo? Quem sabe assim ela resolvesse despertar e acabar com um dos principais motivos de deboche de Guarapuava, a “cidade do futuro”...
Arte criada para ilustrar a crônica da Serpente escrita por Murillo Walter Teixeira, personagem ilustre de Guarapuava.

Comentários

  1. EU CONHECIA O COMEÇO DESSA LENDA MAIS AGORA QUE CONHEÇO ESTOU EM DÚVIDA,SE ISTO É VERDADE NÃO SEI MAIS NÃO CUSTA ACREDITAR...

    SOU GUARAPUAVANA!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde!
    Li atenciosamente este post, no entanto discordo com o citado no parágrafo 6 e creio que a Igreja ainda exerce grande poder perante à sociedade, pois seríamos incapazes de enxergar sozinhos as falácias do capitalismo. É Preciso Fé, Entusiasmo e aceitação de nossa condição humana, sempre com humildade, com o auxílio da Santa Igreja Católica, dos Santos e Anjos que intercedem por nós junto ao PAI por meio de Vosso Filho JESUS CRISTO e Nossa Mãe Maria.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Thiago! Eu não quis dizer que a igreja não seja mais importante na vida do ser humano. Eu quis dizer que ela não exerce tanto "poder" como nos tempos antigos...
    Muito antigamente digamos que a Igreja meio que "mandava e desmandava" e hoje já não é bem assim.. As pessoas estão mais questionadoras, e procurando entender o pq das coisas...
    Mas eu tbm acho que a formação religiosa seja fundamental na formação do caráter das pessoas. Nisso eu concordo com vc.
    Mas até os colégios que antigamente tinham um ensino religioso mais profundo, hoje já não se ve tanto...
    ok? =)

    ResponderExcluir
  4. Oi gente me chamo Roxy ^^ eu fiquei um pouco confusa e assustada ao ler este post mais no entanto eu não sou guarapavuana mais fala sério o primeiro trem já passou e apitou nessa cidade a muito tempo gente como que as pessoas ainda temem esse "apocalipse"em gente me diz se essa igreja desabasse seria o "fim do mundo,apocalipse" pra eles?
    bjs gente dos comentarios aguardo respostas para a minha pergunta fiquem com papai do céu bjs ;*

    ResponderExcluir
  5. q legal isso me ajudara nas tarefas de filsofia do colegio

    bjs para as pessoas q gostarem da lenda !!!! bjosss ...

    ResponderExcluir
  6. sendo verdade ou mentira da medo

    ResponderExcluir
  7. não conheço lá mas,sei o seguinte.
    diz que uma vez uma mãe jogou uma criança sem batizar e foi assim que surgiu a tarde cobra.dizem também que ela não destruiu a cidade por causa que a cabeça dela esta debaixo de nossa senhora.
    DE.MERCI

    ResponderExcluir
  8. RSRSRS!
    A COBRA PODERIA PICAR OS POLITICOS DESSA CIDADE.

    ResponderExcluir
  9. Ola eu soube assim essa história, q uma mae tnha jogado um bebe q c transformou em cerpente, porq n foi batizado. ai surgiu a tal cobra, e q c desse um raio na torre ela morreria. caso contrario um dia ela c moveria e destruiria tda a cidade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…