Pular para o conteúdo principal
Co ivi oguerecó yara!






Considerado um personagem lendário em nossa região, o Cacique Guairacá se tornou conhecido por defender com bravura nossas terras contra a invasão castelhana.


Nas publicações mais antigas, nosso índio visitou diversos lugares, participou de diversos eventos e hoje, mais uma vez, é assunto em nosso blog.
Dias atrás, folheando um livro sobre a cidade de Guarapuava, chamou-me a atenção a parte em que falava sobre lendas e realidades do cacique Guairacá.


No início do século XVII, espanhóis tentavam escravizar os índios. Os índios, por sua vez, sob o comando do cacique Guairacá, resistiam com destemor.
Devido a essa resistência, foi proposto ao rei espanhol que não se tentasse mais a conversão dos índios por meio de armas, e sim através de missionários que levassem até eles a palavra de Deus. Tem-se, então, o início dos trabalhos jesuítas.


Durante muito tempo, os europeus vinham sofrendo derrotas, todas elas comandadas pelo cacique Guairacá. Conta-se que, pronunciando sempre o grito de guerra “Co ivi oguerecó yara” (esta terra tem dono), ele garantiu a vitória em diversas batalhas. Existem registros de inúmeras cartas de padres e membros do exército espanhol que relatam a bravura do índio que “deixava estendida sobre as planícies, toda a infantaria composta de 500 milicianos”.

Um dos relatos que se tem sobre a vida de Guairacá é que certa vez, em busca de índios para catequizar, o padre Tomaz Fildi acolheu quatro índios que procuravam se abrigar de um temporal. Um deles contou ao padre que o Guairacá era o principal cacique de sua aldeia e que por ser muito bravo não acreditava em Deus e não queria ser cristão.


Com medo da reação do cacique por ter contado, o índio não quis voltar para sua aldeia. Os outros três que haviam ouvido toda a conversa, denunciaram o que havia ficado. Guairacá, então, reuniu seu exército e atacou o acampamento jesuíta. Travou-se a batalha entre soldados espanhóis e a tribo do cacique que, com medo dos tiros, acompanhava de longe a retirada do exercito inimigo. O exército europeu ganhou reforços e resolveu contra atacar. Durante a batalha, mataram o cacique Guairacá, fazendo com que o restante de sua tribo debandasse. Com sua morte, os outros caciques acabaram por se aproximar dos jesuítas.

Sobre o cacique Guairacá, figura tão conhecida pelo povo guarapuavano, tem-se muitas histórias. Ainda que tenha um caráter lendário, todas as versões confiram que essa figura realmente existiu e que era um líder muito respeitado por todos os índios das grandes tribos guaranis.

Fonte: Guarapuava: seu território, sua gente, seus caminhos e sua história - Nivaldo Kruger.

Comentários

  1. Usam os índios para romantizar a história de Guarapuava e região, enquanto isso os mesmos índios na atualidade são discriminados, marginalizados, tem que viver nas ruas vendendo balaios, sofrendo preconceito de gente mesquinha e hipócrita.

    ResponderExcluir
  2. José Ronaldo Fassheber30 de outubro de 2011 19:52

    Além de se tratar de UMA GRANDE MENTIRA essa história de que Guairacá era índio local e que tenha repetido a famosa frase do índio uruguaio Sepet Araju

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…