Pular para o conteúdo principal

De Amélia a Dilma: mulheres em transformação

De Amélia a Dilma: mulheres em transformação
.


Durante muitos anos, o homem dominou o espaço público e inviabilizou o crescimento intelectual e a divisão deste espaço com as mulheres. Diante de uma sociedade que ignorava o feminino, elas lutaram e, principalmente após a eclosão do feminismo nos anos 1960, diversas conquistas foram tomando corpo. O contraste com a era em que o gênero masculino dominava praticamente todas as relações sociais pode agora ser visto. Há algumas décadas, a mulher era relacionada a um ser cujas funções eram constituir família e se dedicar ao lar. Muitas que transgrediram esses costumes foram perseguidas e discriminadas. Muitas foram desvalorizadas no decorrer do tempo, exercendo atividades remuneradas inferiores às recebidas pelos homens. As mudanças, quanto ao feminino, começaram a surgir com o processo de modernização. Nessa época, milhares de mulheres entraram no mercado de trabalho, passando a exigir o seu espaço na sociedade. Dessa forma, puderam mostrar que tinha capacidade mental e condições físicas para realizar funções tidas, até então, como masculinas.
 Com o passar do tempo, as mulheres começaram a participar do mundo público, conseguindo ocupar postos importantes. Portanto, ser mulher, no século XXI, deixou de implicar, necessariamente, em maternidade. Tudo isso aconteceu graças à revolução feminista que viabilizou a feminização da cultura e ofertou às mulheres o direito à cidadania.
Muitos são os papéis desempenhados pela mulher atual, que além de trabalhar e ser reconhecida cada vez mais como uma profissional competente, cumpre, ainda, as funções de mãe e dona-de-casa. Essa mulher multifacetas, que se constrói na pós-modernidade, faz surgir um novo modelo feminino, do qual não se têm referências históricas. O caminho percorrido pela mulher tornou-se tortuoso. Muitas tarefas, preocupações, papéis, deveres estipulados pela sociedade para essa super- mulher. Deve ser linda, competitiva, inteligente, poderosa, amorosa. Desempenhar com perfeição os papéis de mãe, amante, dona de casa, super-profissional e, ainda, chegar aos 50 com tudo em cima. Sorrir sempre, ser otimista sempre, e ter aquele jeitinho feminino e intuitivo para resolver tudo para todos.
Todas as manifestações no Dia Internacional das Mulheres, sem dúvida são importantes e registram novos formatos no convívio social, mas não expressam padrões de comportamentos amadurecidos no sentido do reconhecimento pessoal ou profissional, além de preconceitos.
Se no século XX, as mulheres conquistaram os seus direitos, o século XXI será o século da conquista dos valores e da implementação desses direitos que se traduzem no acesso igual às oportunidades independentemente do gênero. Só a mudança da visão competitiva dos sexos, para a visão da sociedade que se constrói na harmonia dos gêneros permitirá à mulher assumir o seu papel como ser cultural na sua própria voz.
Que a figura da mulher não apenas seja lembrada e homenageada em dia específico, e que os projetos em favor das mulheres não apenas sejam apresentados na Câmara dos Deputados em Brasília nesta data comemorativa, mas que a conquista dos valores e da implementação desses direitos se traduzam no acesso igual às oportunidades independentemente do gênero.

Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira

Comentários

  1. Pronto, caí de amores. Era tudo que eu sempre pensei, queria escrever mas nunca consegui. Obrigada por expressar em meu nome e de tantas outras mulheres que sentem a mesma coisa. Quando crescer quero ser igual a você, professora! hehe

    beijo,
    Paula Fernandes

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…