Pular para o conteúdo principal

いらしゃいませ Irashaimassê!

Por Elis Oliveira

Festividade do aniversário dos 42 anos
de Márcio Ike

Essa palavra significa: Seja bem vindo! E te convido para conhecer um pouco da história da colônia japonesa da cidade de Pinhão. Eu sou brasileira, nascida no Pinhão, mas que há sete anos aproximandamente, conheci e aprendi a respeitar e admirar os costumes japoneses.
Primeiramente, lembremos que a maior colônia de japoneses no Brasil está concentrada em São Paulo, com mais ou menos 700 mil descendentes, logo vem o Paraná, com aproximadamente 150 mil. Os primeiros japoneses chegaram ao Paraná por volta de 1930, devido à  falta de estímulo do governo de São Paulo para que eles cultivassem a plantação de café.
Dois homens deram início a migração na cidade de Pinhão, o ano era 1974, Massaro Hassegawa (in memorian) e Kesao Yamazaki vieram sozinhos na época, ficaram num pequeno hotel, o objetivo era cultivar batata e arroz. Foram tempos difícies , começar do marco zero uma lavoura num lugar desconhecido. No ano seguinte, seu Kesao ganhou uma companheira, sua esposa Mitiko.
Família TAKEMOTO
Dai em diante, foram chegando mais famílias, os Takemoto, os Ike, os Nishimura, os Matsuda, Suzuki, os Maeda, os Shiguerara, os Inoue, até o final da década 1970, muitos japoneses já estavam construíndo suas vidas no Pinhão. Por volta de 1983, os japoneses começaram a plantar também cereais (soja e milho). As primeiras famílias vieram com o intuito de trabalhar na agricultura.
Família IKE
Os japoneses trouxeram consigo a cultura. A influência desses descendentes é bem visível na sociedade por meio das suas festas e comemorações, também pela introdução de novos gêneros alimentícios, como por exemplo o shoyu, o sukiaki (cozido de carne com verduras e udon- macarrão japones), o sushi, sashimi ( peixes e outros frutos do mar crus  com  molho de soja e wasabi) entre outras, só lembrando que o yakissoba é chinês.
Segundo Mitiko, o moti é um dos elementos da cultura japonesa que a colônia mais cultiva. Também conhecido como bolinho de arroz, o moti tsuki (bater moti) é feito num ussu (pilão japonês), com a ajuda de um tsuchi (lê-se tsuti), que é uma espécie de grande marreta de madeira, está é uma tarefa para duas pessoas, o interessante no processo começa quando uma pessoa bate, enquanto outra esborrifa um pouco de água nos intervalos entre as batidas (quando o companheiro levanta o tsuchi), isso é feito para o arroz não grudar no bastão ou no pilão.
 É repetido várias vezes até o arroz ficar no ponto certo do moti, virando uma massa lisa e firme. Esse bolinho é um símbolo de comemoração, seja no ano novo ou na festa do nascimento de uma criança. Ainda falando em arroz, tem o Gohan que é o que há de mais essencial na culinária japonesa, eles costumam dizer que "sem arroz não dá para viver". O arroz japonês é diferente do arroz brasileiro devido a sua consistência.
 42 anos de  Márcio Ike
Os costumes japoneses são bem interessantes, por se diferenciar um pouco dos nossos costumes. Algo que conheci na colônia em Pinhão é a comemoração do anivérsário de 41 anos dos homens. Tudo porque, na cultura japonesa, eles acreditam que existem duas fases nas quais homens (e mulheres) devem ter especial cuidado com a saúde e a vida pessoal,  são os “anos críticos”, chamados de yakudoshi, por isso principalmente eles , quando completam essa idade, fazem uma festa especial em comemoração, no ano seguinte, se tudo correr bem, haverá outra festividade ainda maior.
Outra peculariedade da cultura japonesa é a religião budista. Em Pinhão, Yukie Hassegawa conta que a maioria das famílias são budistas, tem seu próprio santuário em casa, porém, por não ter templos aqui na região, muitos japoneses são adeptos a outras religiões, principalmente a católica, mas não deixando de lado a sua crença.
            E como não falar do Karaoke, os japoneses gostam de soltar a voz. Nas festas e nos encontros entre amigos, os mais desinibidos cantam suas músicas sem acompanhamento musical muitas vezes, algumas delas no idioma japones.
Muitos costumes da cultura do Japão são vivenciados por seus descendentes nas diversas colônias espalhadas pelo mundo, alguns hábitos não são costumeiros para nós brasileiros, mas que para esse povo do sol nascente e do olhinho puxado são a base para suas vidas. Algo que admiro na colônia é a união entre eles, muitos, não são nem parentes, mas sempre estão ajudando-se mutualmente, seja na doença ou nas alegrias. Um detalhe que não vemos habitualmente na cultura brasileira no geral, é essa cumplicidade que um tem com o outro, e não pense que é só com os seus semelhantes, mas faz parte da filosofia de vida dos japoneses serem gentis e solidarios.
Senhoras no Dia das Mães
( Tereza, Cida, Mariza, Massako, Nanani)
Outra coisa legal, é que nas festividades ao longo do ano, para suprir a falta dos parentes de longe, comemoram juntos, como é o caso do Dia das Mães e dos Pais. Nessas datas há uma inversão de papéis, para festejar o dia das mães, os filhos vão para a cozinha, além de prepararem atividades e prendas para as mamães.

Comentários

  1. texto bem legal, mostra que independente se nossos olhos são puxados ou não, nossos sotaques iguais, os japoneses tem uma cultura espetacular, que merece respeito e admiração, como a autora do texto coloca.

    ResponderExcluir
  2. é nois pinhão (parte2)

    ResponderExcluir
  3. Paulinia -SP
    Boa Tarde Meu nome e Luiz Carlos ,estou tentando localizar uma pessoa de Guarapuava o nome e Meire ( Japonesa) morou em Campinas entre 1980e1990 e casada com Hideo Oda e acredito que esteja morando no Japao ,se alguem conhecer por estas poucas palavras favor me enviar um email...obrigado ( lucalink@uol.com.br )..

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…