Pular para o conteúdo principal

Quanto vale a história?


Colecionadores recuperam parte da história agrícola do Brasil

Na região de Guarapuava, um movimento inusitado tem chamado a atenção dos moradores. Há cerca de dois anos  uma ferramenta de trabalho, despertou grande interesse em um grupo de homens, que participavam de um dia de campo. Disputando com gigantes, um pequeno velho trator, roubou a cena.  As empresas do agronegócio costumam lançar suas novidades, promovendo eventos em propriedades particulares. Uma empresa de pulverizadores em um desses momentos lançou um modelo novo de pulverizador autopropelido de ultima geração. Vistas as suas qualidades, o dono da propriedade, onde acontecia o evento, resolveu demonstrar como as máquinas dos anos 50 executavam tal tarefa. Tirou de seu galpão um Hanomag, antigo trator alemão, equipado com um pequeno pulverizador, e para espanto de todos, o fez funcionar. A euforia foi tanta que despertou nos agricultores da região uma verdadeira febre por tratores antigos.
Logo os primeiros começaram a procurar as relíquias do passado, indo de um ferro velho a outro, buscando na internet ou garimpando em cidadezinhas do interior.  Quando um descobre algum modelo novo, este logo é negociado e começa então a entusiasmada reforma. O trator é totalmente desmontado. Peças e engrenagens limpas, filtros trocados, lataria desamassada. As peças faltantes são novamente garimpadas em sites especializados, compradas pela internet ou ainda refeitas artesanalmente, para adquirirem as características originais. Até mesmo as cores são pesquisadas para que se aproximem do real. O motor sem dúvida é sempre a parte mais interessante de cada modelo. Fazê-lo funcionar exige mais do que apenas interesse. Exige conhecimento, exige dedicação e criatividade. Um Lanz Bulldog, modelo de cerca de 70 anos, foi garimpado por um dos colecionadores, em São Paulo. Por suas características, o modelo ímpar, é hoje o de maior sucesso em encontros e feiras. Para que esse bruto funcione,  é preciso estimulá-lo com fogo por cerca de 20 minutos. Não será a chave de ignição que dará a partida, e sim, o próprio volante. Este é retirado de sua posição original e encaixado na lateral do trator. Com movimentos intensos e sincronizados as engrenagens entram em movimento acionando a máquina. Uma fumaça espessa sai do grosso cano de escape acompanhado de um barulho ensurdecedor. O público responde com risos e aplausos eufóricos.
Hoje,  os colecionadores do TAER (Tratores Antigos de Entre Rios) já somam mais de 40 modelos entre Hanomag’s, Landini, Deutz, MAN, Ursus, Fendt, Fordson, Zetor entre outras incontáveis raridades. Todas estas relíquias puderam ser vistas no primeiro Traktorfest de Entre Rios no dia 29 de Julho de 2012. Uma oportunidade para reunir amigos e familiares de zero aos noventa anos de idade, trocando conhecimentos e unindo as gerações. O encontro contou também com a participação de colecionadores de outras regiões do Brasil como SP e MS.  O hobby muito mais do que entreter, confraternizar, trocar experiências e informações, ajuda a contar um pouco da história agrícola da nossa região.                          KMD



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…