Pular para o conteúdo principal

Vestibular UNICENTRO - Melhores Crônicas: Rachel de Queiroz


A coletânea apresenta crônicas de seis livros diferentes: A donzela e a Moura Torta (1948), 100 crônicas escolhidas (1958), O caçador de tatu (1967), As terras ásperas (1993), O homem e o tempo (1995) e Falso mar, falso mundo (2002). São 71 crônicas selecionadas dos seis livros.

As crônicas de Rachel de Queiroz, sabe-se que a autora, por conta de suas experiências de vida e de sua formação política, procurou tratar de temática social, seja para tratar das questões da seca, seja para falar da difícil vida do trabalhador comum no Brasil. Mas vai além disso ao tratar dos aspectos cotidianos e de sua vida pessoal, cuja reflexão ultrapassa a mera subjetividade, pois aborda assuntos de ordem literária, questões relacionadas à tradição e à modernidade, bem como fatos do cotidiano que a autora teria vivenciado.

Em “O Catalão”, a história de um mestre-curtidor que trabalhava para o pai dela. Tal mestre fez parte do seu imaginário infantil e mais tarde veio a saber que ele morrera lutando na Espanha, por conta das lutas separatistas na Catalunha.

Outras histórias da Rachel criança são lembradas pela mulher já adulta, com mais de trinta anos, e servem para compor o cenário da sua vida pessoal e também da sociabilidade nacional.

Em “O grande circo zoológico”, narra seu encontro com uma trupe circense que viajava às margens do rio São Francisco. Depois de ver os animais e tecer alguns comentários, faz uma análise dos artistas do circo, dando destaque para o fato de que normalmente pertencem à mesma família ou constituem família entre eles. Trata-se, pois, de uma análise sociológica sem academicismos, mas que expressa um modo de olhar para o Brasil que vai do poético ao jornalístico.

As histórias não têm um cenário único: este pode ser o Nordeste em geral, o Ceará em particular ou o Rio de Janeiro, onde morou, ou as viagens que fez, à Europa, por exemplo.

“Retrato de um brasileiro”, que narra a história de um homem comum, que teve suas desilusões amorosos, o desapontamento pelos filhos, o trabalho constante e o pouco reconhecimento dos seus. Em paralelo, trata das eleições pós-ditadura getulista, em que a personagem conclui que valia a pena votar naquele que pagava mais que propriamente em projetos para a coletividade.

“Morreu um expedicionário”, que narra a história de um jovem que acreditava “na verdade, na justiça e na liberdade”, por isso foi lutar pela FEB na 2a Guerra Mundial. O que Rachel parece pretender é a compreensão das razões que levam um indivíduo, jovem, com a vida pela frente, sem a obrigação de lutar em uma guerra, a querer tornar-se mártir por seu país. É o mérito da autora o de tentar as motivações humanas, para o bem ou para o mal.


“O padre Cícero Romão Batista”, como especifica o título, fala sobre o santo popular, o padre Cícero, relatando, de modo um tanto descrente, como veio a se tornar referência no sertão e, aos poucos, em todo o Nordeste.


Em “O senhor são João”, defende o Nordeste contra seus detratores no sul do Brasil, que veriam a região como local apenas de dança e festa. Para Rachel, que era cearense, embora as festas existissem, elas seriam concentradas e poucas, dando certa alegria à população.


Em “Rosa e o fuzileiro”,  conta a história da moça da Ilha do Governador que tinha um
pai que era uma fera, mas que acaba se apaixonando por um fuzileiro naval, mesmo sob as ameaças de morte por parte do pai.

“Vozes d’África”, é interessante saber que o título que faz referência a famoso poema de Castro Alves. Na crônica, temos a história de uma família de negros cuja origem remonta à época da escravidão.

Há também as crônicas sobre personagens misteriosos que fazem parte do imaginário da Rachel menina. É o caso de “O solitário”, história de um homem misterioso que morava
sozinho no sertão. A autora recorda dele e diz que morreu como viveu, de modo solitário. Uma espécie de misantropo. Em “Jimmy”, o retrato em um bar parisiense, com destaque para a personagem do título.

Em “Natal”, em que relata não ter saudade de natal nenhum, nem mesmo o da infância; aliás, nem sequer tem saudade da infância.


Em “Terra”, publicada em O homem e o tempo, fala do campo, mas não à maneira idílica dos árcades, e sim pela óptica do sertanejo e sua vida difícil, de enfrentamento das condições adversas causadas pela seca.

Na crônica “Felicidade” a autora procura mostrar que o sertanejo pode ser muito mais feliz que um morador da cidade grande, pois suas expectativas e desejos são menores, restringem-se às necessidades básicas: moradia, alimentação, vestuário. Isso é o que basta.

Uma das crônicas que têm como objetivo a abordagem da literatura é “O nosso humilde ofício de escrever”. Inicia a crônica dizendo que uma jovem escritora havia lhe perguntado como se deveria fazer para escrever um romance.

Sobre a velhice, há diversas crônicas, como “Não aconselho envelhecer”, “Os Noventa” também revela a preocupação da autora com tempo. Neste caso, porém, é o tempo em geral, e não a do corpo, a do indivíduo. Trata-se de uma crônica que faz um resumo da década, com destaque para o futebol e a perda do pentacampeonato mundial de futebol em 1998; fala sobre os amigos de profissão, os amigos; sobre as origens no sertão cearense, a vida no Rio de Janeiro.

As crônicas de Rachel abordam os temais mais variados. Em “Quaresma”, fala sobre o choque entre a moral, entre o olhar vigilante dos pais e mesmo da Igreja e o desejo de liberdade dos jovens (de todas as épocas, por sinal), que querem antes se divertir que propriamente obedecer a regras. Ou em “Praia do Flamengo”, em que a autora traça um perfil dos frequentadores da praia, de acordo com o horário, expectativas, faixa etária, indo
das mães, babás e crianças até os jovens que querem se exibir mutuamente como meio de conquista, de paquera, passando pelas domésticas, que só podem frequentar a praia no fim do dia, depois de largarem o expediente.








Em resumo, Rachel de Queiroz retrata, nessa coletânea de crônicas, sua visão sobre a vida e sobre o cotidiano, sobre sua experiência pessoal e a observada.

]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…