Pular para o conteúdo principal

Moda retrô na atualidade

Saindo dos pés masculinos para virar paixão entre as mulheres


Karoline Fogaça



O sapato Oxford é clássico, charmoso e indispensável para quem gosta da moda retrô. Nasceu no século XVII e agora em pleno século XXI ainda sobrevive. Esse modelo surgiu por volta de 1640, era muito popular entre os estudantes da Universidade de Oxford, na Inglaterra, daí a origem do nome. É totalmente fechado e possui sempre os mesmos princípios, um cadarço para amarrar e recortes na parte frontais e traseiras que se sobrepõem às laterais.


Por ter se tornado parte do uniforme dos alunos, isso acabou limitando na época as variações estilísticas do modelo. Durante muito tempo, esse sapato fez parte de um representação de seriedade e conservadorismo, além de ser considerado essencialmente masculino. Ele apresentava tais características porque, no século XVII, quem estudava em universidades eram os homens que pertenciam a famílias ricas.


A moda não é um lugar de preconceitos, ela transformou esse ícone em um sapato unissex. Hoje, vemos muito mais mulheres do que homens usando, pois ele ganhou versões femininas com uma grande variação estilística, com ou sem salto, de várias cores e estampas.


O Oxford faz parte de um estilo que vem sendo chamado de retrô. Retrô vem de retrospectiva, mas na moda essa palavra tem dois significados, pode ser algo que já foi tendência em outras épocas e agora está sendo resgatado ou simplesmente o que é considerado clássico, que não sai de moda há muito tempo. Podemos chamar esse estilo por dois nomes “Fashion Retrô” ou “New Old” (novo velho) e é um conceito que os estilistas usam para fazer o novo com base em peças do passado, mas que marcam a época em que apareceram pela primeira vez.

O retrô abrange tudo na moda, roupas, maquiagens, penteados, acessórios e sapatos. É considerado um estilo que pode remeter a vários momentos históricos, sendo eles de qualquer época. 







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…