Pular para o conteúdo principal

Um deambular constante- do ler ao escrever


Por Elis Oliveira
Quem nunca ouvir falar em Marina Colasanti e Ignácio de Loyola Brandão?  
Loyola nasceu em Araraquara, São Paulo, na década de 1930, para ele escrever é de berço. Seu pai ferroviário, um homem excepcional, lia muito e assim o incentivava a ler também, o primeiro livro que leu foi Cisne Negro e Patinho Feio.
Loyola é um contista, romancista e jornalista.  Para ele, escrever é uma paixão, pretende escrever muito ainda. Desde 1996, após um susto, quando teve aneurisma, aprendeu a viver mais, passou a lidar consigo mesmo, adotou a filosofia do devagar “não preciso correr, não quero ser encontrado, eu encontro quem eu quero”, diz Loyola.  
A crônica para ele nasce em qualquer lugar, tem um caderninho para anotar tudo o que vê e sente, principalmente nomes, que podem vir a ser personagens em seus livros. Nesses 44 anos de carreira, Loyola trabalhou no Jornal Última Hora ao lado de Samuel Wainer e Jorge Andrade, entre inúmeros outras revistas e jornais.
Brinca ao contar sobre sua mais célebre obra intitulada Zero. “Demorou 10 anos para escrevê-lo e fora proibido em um ano”. Disse que não se incomoda ao ser muito lembrado por esse livro que conta os bastidores da ditadura de 1964.
Marina Colassanti- Foto Elis Oliveira
Já Marina, também nascida em meados nos anos 1930, passou por uma epifania leitora, depois da morte da mãe, o pai queria uma companhia para ler, e começou a lher dar muitos livros. Desde então, ela vive numa pluralidade, por isso não se detém num genêro somente. A autora reflete em suas obras fatos cotidianos, sobre a situação feminina- e se diz uma feminista, o amor, a arte, os problemas sociais brasileiros, tudo isso com uma sensibilidade profunda.
A autora escreveu durante 20 anos sobre a situação feminina. “Queria dizer muitas coisas, daí saíram meus livros” comenta Marina, sobre o seu propósito de escrever para uma leitora com novas ideias, principalmente para uma dona de casa moderna.
Segundo Marina, para ler literatura precisa ser um bom leitor, porque assim se tira dela muito mais proveito, fazendo assim múltiplas leituras, descobrindo coisas por trás das palavras. Além disso, a literatura está mais urbana, os jovens estão de olho nos preceitos da pós-modernidade, muita inserção de erotismo, narrativa fragmentada, pouca realidade.
Algo que incomoda Marina é o uso errôneo dos seus escritos na internet, ela se sente humilhada ao ver que seus textos são veiculados nas mídias de uma forma diferente do que ela quis escrever. “Não gosto de me acostumar, não se acostuma com o que não é legal”, comenta a autora indignada com a reprodução.
Tanto Marina como Loyola têm muitos pontos em comum, ambos trabalharam durante anos como editores em revistas e jornais, possuem uma vasta e bonita história em meio a leitura e ao escrever. Os dois são jornalistas e escritores da vida, do que a sensibilidade os inspira. Para eles, seus livros querem ajudar os seus leitores a se conhecer. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…