Pular para o conteúdo principal

A Jangada de Pedra – José Saramago

Autor

José de Sousa Saramago (16/11/1922 – 18/06/2012) nasceu em uma aldeia ao sul de Portugal. Autodidata, antes dedicar-se unicamente à literatura foi mecânico, serralheiro, desenhista industrial e também trabalhou como gerente de produção numa editora, e em 1947 iniciou sua atividade literária com o romance “Terra do Pecado”. Atinge a notoriedade em 1980 com a obra “Levantado do Chão”, tida hoje como seu grande primeiro romance. Em 1998 recebeu o Prêmio Nobel de Literatura com A Jangada de Pedra, sendo o primeiro autor de língua portuguesa a fazê-lo.

Contexto Histórico

A Jangada de Pedra foi publicada quando Espanha e Portugal passaram a integrar o MCE – o Mercado Comum Europeu, hoje União Europeia. Tomando como ponto de partida uma série de casos insólitos, Saramago expressa claramente o descaso europeu ante as nações ibéricas. Neste contexto se instaura o realismo mágico na narrativa como meio de transgressão. Ao servir de instrumento à navegação exposta em texto, Saramago expressa assim a sua insatisfação em relação à Europa.

Análise da Obra

      Publicada em 1986, a obra de Saramago elenca uma série de ocorrências sobrenaturais que culminam no apartamento da Península Ibérica, que abandona a Europa ao tornar-se uma ilha enquanto se desloca à deriva através do Oceano Atlântico. A narrativa, tomada num tom de pressentimentos incertos e apocalípticos tem como ponto de partida a exposição de casos insólitos que permeiam as suas personagens principais, casos os quais se interligam no decorrer da narrativa que corre sobre o tempo psicológico.
      O Oceano Atlântico é o espaço onde a Península Ibérica perambula aos olhos de suas personagens principais: José Anaiço, professor português sempre acompanhado de uma nuvem de estorninhos, Maria Guavaira, moradora da Galiza que tem nas mãos um interminável fio de lã azul puxado de uma meia, Joaquim Sassa, português do Porto, turista numa praia ao norte de Portugal, o farmacêutico idoso Pedro Orce, espanhol da região de Orce, e a divorciada da região de Ereira Joana Carda, protagonista que ao riscar com uma vara o chão, dá início a série de acontecimentos que compõem a trama da obra.
      Usando uma crítica afiada e agressiva, Saramago, ao excluir literalmente a Península Ibérica da Europa fazendo-a navegar pelos oceanos de forma errante, faz-se valer do discurso irônico e do realista mágico, quase partindo para o lado surreal da literatura, não objetivando a dessacralização da história como já fez anteriormente em outras obras, mas sim para questionar o porvir, através de diálogos com antecedentes históricos expressos na intertextualidade, sugerindo uma solução para o futuro configurado pela mítica de um novo mundo.
      Toda a obra é remetida às diversas fases da literatura portuguesa, percebidas no heroísmo e estoicismo do homem português deslumbrado. A tradição camoniana tem forte presença inspiradora no texto, dando-lhe apelo dramático e épico. A Península ostenta o papel de um novo país, ou império, em busca de seu lugar no mundo. Enquanto vaga através do oceano traz dentro de si uma analogia secundaria com o expansionismo do latim, e em primeiro plano aponta o retorno de Portugal à navegação num sentido de descoberta de novo mundo.
      A longa viagem da Península tem seu fim após descer em direção das Américas, quando ancora na costa do Novo Mundo, chegando a uma nova terra em desenvolvimento, de cultura mais aberta em relação ao purismo europeu, de povos nascidos da miscigenação da colonização, espanhola e portuguesa.
       Por fim, a narrativa da obra descreve todo o caos instituído na Península a partir de sua separação da Europa, elencando seus problemas políticos, a falta de alimentos, apagões e mesmo alterações ecológicas, suscitando o prelúdio de um apocalipse dado em razão do descaso dos países europeus e pelos movimentos marítimos da “jangada.

Referências:

SARAMAGO, JOSÉ. A jangada de Pedra. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.


De - Felipe Soares
Por: Diana Pretto


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…