Pular para o conteúdo principal

Melhores Crônicas - Rachel de Queiroz

Autora
           
      Rachel de Queiroz nasceu em Fortaleza, Ceará, em novembro de 1910. Viveu parte de sua infância na capital do estado e parte, no interior, na fazenda dos pais. Depois da seca de 1915, mudou-se para o Rio de janeiro, onde ficou por pouco tempo, transferindo-se para o Belém do Pará. Raquel de Queiroz vem a falecer no dia 4 de novembro de 2003 em sua casa no Rio de janeiro.
      Ingressou no jornalismo como cronista, em 1927. Em 1930, lançou seu primeiro romance “O Quinze” que recebeu o primeiro prêmio. Em 1977, foi à primeira escritora a ingressar na Acadêmia Brasileira de Letras, um grupo que, até então, tinha sido exclusivamente masculino.
      Suas principais obras são: “O Quinze” (1930), “As três Marias (1939), “100 Crônicas escolhidas” (1958), “Dora Doralina” (1975), “As menininhas e outras crônicas” (1976) e “Memorial de Maria Moura” (1992).


Contexto histórico
           
      No início do século XX, a literatura brasileira atravessava um período de transição, as estéticas literárias (Relismo, Naturalismo, Parnasianismo), muitas vezes se fundiam. De um lado, ainda era forte a influência das tendências artísticas da segunda metade do século XIX; do outro lado, já começava a ser preparada a grande renovação modernista, cujo marco no Brasil é a Semana de Arte Moderna (1922). A essse período de transição, que não chega a construir um movimento literário chmamos de Pré-Modernismo. Nesse sentido, deve-se dizer que é entre esse “Pré-Modernisno” e o “Modernissmo” já fixado como movimento literário que as crônicas de Rachel de Queiroz estão inseridas.                    

Obra
           
      “As Melhores Crônicas de Rachel de Queiroz” foi organizado por Heloisa Buarque de Hollanda e reúne crônicas publicadas por Raquel de Queiroz em seis livros, abrangendo um príodo que vai de 1948 “A donzela e a moura morta” à 2002 “Falso mar, falso mundo.
            Dentre as crônicas escolhoidas para este livro, têm-se grande destaque os tipos regionais e as lembranças que Rachel tem do sertão. Assim, muitas vezes estes textos apresentam um caráter autobiográfico, à medida que são baseados em lembranças e fatos reais vividos pela escritora. Percebe-se também uma linguagem simples como se fosse um diálogo com o leitor, uma característica comum às crônicas.
           
Crônicas Representaivas

O Senhor São João

            Nesse texto, a autora usa como ponto central a festa de São João para descobrir certos preconceitos  e esteriotipos mantidos pelos moradores das regiões Sul e Sudeste acerca do Norte e Nordeste. Tendo como ponto de partida a ideia de que no Norte o povo passa o ano todo dançando em uma série de festividades. Rachel de Queiroz trabalha a diferença entre diversos estado e cidades do Norte e Nordeste, dando voz aá riqueza cultural desta regiões. As lembranças da infância no Ceará tem grande importância na construção dessa narrativa.

Rosa e o fuzileiro e Vozes d’África
           
      Estes contos fazem parte de uma vasta produção sobre amores impossíveis bem ao estilo Romeu e Julieta. Em “Rosa e o fuzileiro”, Rachel conta a história de uma jovem, Rosa, que se apaixona por um fuzileiro naval e que é violentamente agredida por seu pai, que se opunha ao amor da moça. Alguns meses depois, ela reconta a história de rosa, mas dessa vez sob o ponto de vista do pai, em “Vozes d’África”.

Pátria Amada

            Após uma temporada no exetrior, Rachel de Queiroz fala sobre a sensação de voltar ao Brasil. Por mais que, ao estar em solo brasileiro, o que mais se quer é ir para e exterior e fugir de toda a bagunça de nosso país, ao se encontrar distante e se deparar com a bandeira nacional, o que se sente é saudade e vontade de voltar para casa. Rachel de Queiroz, em tom nacionalista, também reflete sobre o que é a pátria. O tema do “retorno” (seja ao Brasil, seja à casa, ou seja o retorno à infância) é um tema bastante recorrente em suas crônicas.

Sertaneja

            Nesta crônica, o saudosismo e o orgulho de sua terra-natal, o Ceará aparece com grande força para retratar a vida no sertão. O ocorrido passar do tempo em uma cidade como O Rio de Janeiro é posto em contraste com o tempo devagar e sossegado da vida no sertão. Este tema do “tranquilo passar do tempo” é discutido em diversas outras crônicas da escritora.

Não aconselho envelhecer

Rachel de Queiroz traça nessa crônica uma perspectiva sobre a velhice bastante diferente do senso comum. Primeiramente, ela discorda do termo “terceira idade”, e elenca o que considera diversos prejuízos causados pelo envelhecimento, que para ela é como uma “espécie de HIV a longo prazo”.


Referências:

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Rachel de Queiroz: coleção melhores crônicas. São Paulo: Global, 2004.

De - Ana Paula Kuchla
Por: Diana Pretto


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…