Pular para o conteúdo principal

Arte na pele

Trabalho do tatuador Victor Octaviano

A tatuagem é uma das formas de modificação do corpo mais conhecidas e cultuadas do mundo

Tecnicamente, é uma aplicação subcutânea obtida através da introdução de uma agulha com pigmentos, formando um desenho permanente na pele humana. Um procedimento que durante muitos séculos foi completamente irreversível, embora, dependendo do caso, mesmo as técnicas de remoção atuais podem deixar cicatrizes e variações de cor sobre a pele.
O descobridor do surf, James Cook, criou a palavra “tattoo”. Em seu diário, ele comentou que era o som feito durante a execução da tatuagem, onde se utilizavam ossos finos como agulhas e uma espécie de martelinho para introduzir a tinta na pele. Em 1891, Samuel O’Reilly desenvolveu um aparelho elétrico para fazer tatuagens, baseado em outro aparelho extremamente parecido que havia sido criado e patenteado pelo próprio Thomas Edison para marcar couro.
A prática se difundiu por todos os continentes, com diferentes finalidades: rituais religiosos, identificação de grupos sociais, ornamentação e até mesmo camuflagem. No Ocidente, a técnica caiu em desuso com o cristianismo, que a proibiu, pois no livro do Antigo Testamento, Levítico, estava escrito "Não façais incisões no corpo por causa de um defunto e não façais tatuagem".
A motivação para os tatuados é ser uma obra de arte viva, o designer gráfico, Jaime Martini, conta que desde os seus 18 anos vem tatuando seu corpo “Já faz 7 anos que eu faço tatuagens na minha pele,  todas elas foram artes de tatuadores  muito talentosos, verdadeiros artistas e eu sou a tela em que eles pintam”, afirma o designer.
A famosa tattoo ganhou grande repercussão, porém em 1879 o Governo da Inglaterra adotou a tatuagem como uma forma de identificação de criminosos, fazendo com que os tatuados fossem alvo de preconceito. O estudante de direito, Bruno Ferreira, conta que esse pensamento, de que desenhos na pele transmite algo negativo, permanece até hoje na cabeça de algumas pessoas. “Já mandei currículo para várias empresas, elas até chegaram a me chamar, pois, diga-se de passagem, tenho uma boa experiência, mas ao ver meu braço totalmente tatuado os donos das empresas ficavam um tanto que amedrontados e com medo que eu não passasse credibilidade ao local. Mas meus chefes atuais não ligam para isso, acham que eu carrego em mim várias artes, e isso é interessante”, afirma o estudante.
Cada vez mais, as tatuagens têm se tornado verdadeiras formas de fazer arte, por isso, as técnicas são muito variadas. Em relatos de um site, Victor Octaviano, representante da tattoo em aquarela, que é um estilo onde a pintura na pele é baseada em lápis aquarela, contou que começou a tatuar por acaso, ainda que sempre tenha gostado de pintar. Quando um amigo viu meus desenhos, imediatamente me aconselhou a começar a tatuar.
O efeito conseguido pelas manchas e pinceladas de tintas, características da tattoo em aquarela, permite um resultado único, Victor busca inspiração em tudo o que o rodeia, livros, filmes, músicas, pessoas ou conversas, bem como alguns artistas de referência, como o grande pintor Salvador Dalí ou o street artist Banksy.

Por: Amanda Bastos Maciel



Video que mostra o trabalho do tatuador:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…