Pular para o conteúdo principal

CINEMA BRASILEIRO

      Caso alguém pergunte, num futuro distante, qual terá sido o meio de expressão de maior impacto da era moderna, a resposta será quase unânime: o cinema. Inventado em 1895 pelos irmãos Lumière para fins científicos, a sétima arte revelou-se peça fundamental do imaginário coletivo do século XX, seja como fonte de entretenimento ou de divulgação cultural de todos os povos globais.
      O cinema chega ao Brasil com Affonso Segretto. Imigrante italiano que filmou cenas do porto do Rio de Janeiro, tornando-se nosso primeiro cineasta em 1898. Um imenso mercado de entretenimento é montado em torno da capital federal no início do século XX, quando centenas de pequenos filmes são produzidos e exibidos para platéias urbanas que, em franco crescimento, demandam lazer e diversão. 
      Nos anos 30, inicia-se a era do cinema falado. Já então, o pioneiro cinema nacional concorre com o forte esquema de distribuição norte-americano, numa disputa que se estende até os nossos dias.
      Com o lema “uma câmara na mão e uma ideia na cabeça”, outros diretos impulsionam o que foi considerado o mais importante movimento do cinema brasileiro: O Cinema Novo. Os filmes deste período começam a retratar a vida real, mostrando a pobreza, a miséria e os problemas sociais, dentro de uma perspectiva crítica, contestadora e cultural.
      A década de 1990 é marcada pela diversidade de temas e enfoques. O filme passa ser um produto rentável e a indústria cinematográfica ganha impulso em busca de grandes bilheterias e altos lucros. Comédias, dramas, política e filmes de caráter policial são produzidos em território nacional. Com políticas de incentivo e empresas patrocinadoras, o Brasil começa a produzir filmes que mobilizam grande número de espectadores.
        Cem anos após os irmãos Lumière, considerados os pais do cinema, por terem sido os pioneiros na exibição de imagens em movimento o cinema brasileiro busca seu papel na história da sétima arte, busca seu espaço e seu reconhecimento, que aos poucos, vem se tornando cada vez mais possível.

Vamos conferir agora um uma lista, com alguns dos principais filmes do cinema nacional:

10 - O Pagador de Promessas (1962), de Anselmo Duarte


Baseado na obra de Dias Gomes, O Pagador de Promessas surpreendeu até mesmo os apoiadores do cinema nacional ao ser o grande vencedor da Palma de Ouro no festival de Cannes de 1962, o único brasileiro a conquistar tal prêmio. Com Glória Menezes e Anselmo Duarte, o filme conta a história de um homem que faz uma promessa no Candomblé para salvar seu burro, criando uma polêmica na igreja católica.


9 - O Som Ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho

O pernambucano Kleber Mendonça Filho, na rua de sua casa, filmou O Som ao Redor, um suspense social sobre a relação entre os vizinhos. Antes mesmo de ser lançado no Brasil, o filme rodou o mundo arrancando grandes elogios e sendo inclusive considerado um dos dez melhores filmes de todo o mundo em 2012 no The New York Times, além de conquistar prêmios em diversos festivais, indicando que muita coisa boa está sendo feita no país.


8 – Olga (2004), de Jayme Monjardim

Olga é inspirado na biografia escrita por Fernando Morais sobre a alemã, judia e comunista Olga Benário Prestes. Olga foi um grande sucesso de bilheteria; 385 mil pessoas o assistiram apenas no fim de semana de estreia no Brasil. A obra também recebeu três prêmios no Grande Prêmio Brasileiro de Cinema de 2005, mas teve recepção negativa das imprensas alemã.


7 – Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha

Símbolo maior do Cinema Novo, o longa foi lançado pouco depois do Golpe Militar, mas já traz em seu enredo problemas que continuaram em pauta durante a ditadura. O filme segue Manoel, um sertanejo que mata o seu patrão após uma injustiça e acaba se juntando ao grupo de um líder religioso e depois ao grupo do cangaceiro Corisco, que passa a ser perseguido pelo matador Antônio das Mortes.


6 – Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976), de Bruno Barreto

Dona Flor e Seus Dois Maridos permaneceu durante 34 anos como o filme brasileiro mais visto, com um público de mais de 10 milhões de pessoas. Com um toque de sensualidade, principalmente pela beleza de Sônia Braga no papel principal, o filme conta a história de uma cozinheira, casada com um malandro, que fica viúva e passa a se encontrar com o fantasma do ex-marido depois de se casar novamente com um recatado farmacêutico.


5 – Carandiru (2003), de Hector Babenco
Baseada no livro Estação Carandiru, de Drauzio Varella, se tornou o campeão de bilheteria desde a retomada do cinema brasileiro, com 4,7 milhões de espectadores. O longa-metragem, que retrata o massacre na Casa de Detenção de São Paulo, no bairro do Carandiru, em São Paulo, foi também exibido no exterior com o mérito de mostrar as condições sub-humanas dos presídios brasileiros. Ganhou prêmios no festival de Havana e Cartagena.


4 - Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos 

Baseado no livro homônimo de Graciliano Ramos, é um dos filmes brasileiros mais premiados em todos os tempos. Foi o único filme brasileiro a ser indicado pelo British Film Institute como uma das 360 obras fundamentais em uma cinemateca. Neste filme fica perceptível a influência marcante do neo-realismo italiano na obra do diretor Nelson Pereira dos Santos. Além disso, foi o vencedor do Prêmio do OCIC e Prêmio dos Cinemas de Arte em Cannes, 1964.


3 - Central do Brasil (1998), de Walter Salles

O longa-metragem ganhou o Urso de Ouro de Melhor Filme, o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro e foi candidato ao Oscar de Melhor Filme de Língua Estrangeira. A projeção alcançada por Central do Brasil foi um dos grandes responsáveis pelo aumento no número de produções e de investimentos no cinema nacional. Fernanda Montenegro também ganhou prêmios importantes por sua atuação no filme, como o Urso de Prata, na categoria melhor atriz, do Festival de Berlim. Além disso, teve indicações históricas da categoria melhor atriz, no Oscar e, melhor atriz em drama, no Globo de Ouro.


2 - Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles

Foi um marco no cinema brasileiro, por reformular as produções nacionais. Após seis anos sem conseguir uma indicação a premiações entre os estrangeiros, o longa-metragem foi um sucesso nos cinemas brasileiros, na Europa e nos Estados Unidos, fazendo com que pela primeira vez um filme brasileiro concorresse em quatro categorias no Oscar de 2004.


1 – Tropa de Elite 1 e 2 (2007, 2010), de José Padilha
Teve uma grande repercussão por ter sido o primeiro filme brasileiro a, meses antes de chegar aos cinemas, vazar para o mercado pirata e a internet. Mesmo assim, esse fato não impediu o filme de ter sido bem sucedido nas bilheterias. O filme ainda recebeu o prêmio Urso de Ouro de melhor filme no Festival de Berlim 2008. A continuação do filme, Tropa de Elite 2, também dirigido por José Padilha, detêm atualmente o recorde de público do cinema nacional, superando a marca de 11 milhões de espectadores, além de ser considerado a maior bilheteria da história do Brasil. Tropa de Elite 2 levou nove troféus no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de 2011, entre eles o de melhor longa-metragem de ficção, melhor longa pelo júripopular e melhor ator para Wagner Moura.



Por: Diana Pretto 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…