Pular para o conteúdo principal

Día de Muertos, festa no México


No México, o dia de Finados que deveria ser de luto, tristeza e saudade é comemorado com muita festa. O evento é celebrado com música, alegria, fantasias, apresentações teatrais e caveiras bem simpáticas.
A celebração é de origem indígena e honra os defuntos desde o dia 31 de outubro até dois de novembro. Nessas datas os mexicanos acreditam que aqueles que já partiram da terra, voltam para visitar a família. 
A festividade coincide com as tradições católicas do Dia dos Fiéis Defuntos e o Dia de Todos os Santos e ganhou tanta repercussão, que hoje a festa mexicana é declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.


Conheça um pouco dos símbolos dessa tradição, que existe há mais de 3.000 anos:

Caveira:  As caveiras mexicanas tiveram origem na festividade. A mais conhecida é a deusa Mictecacíhuatl, lembrada como a Dama de la Muerte , atualmente relacionada com a personagem  La Catrina, do pintor, ilustrador e cartunista mexicano, José Guadalupe Posada. As caveiras do artista são cheias de vida, vestidas de gala carregavam em si mensagem sociais e políticas.



Flores: As famílias normalmente limpam e decoram as tumbas com coloridas coroas de rosas, girassóis e principalmente de margaridas, as quais acredita-se atrair e guiar as almas dos mortos. Quase todos os sepulcros são visitados.



Pan de muerto: Prato especial do Dia dos Mortos, é um pão doce enfeitado com diferentes figuras, possui diferentes formatos.


Calaveras de dulce: A maioria das caveiras doces, geralmente as de açúcar,  tem escrito o nome do morto. Os mais bem humorados também escrevem nome de vivos, para fazer piadinha com os amigos.







Balões “guiam os espíritos”: Na tradição mexicana, os balões iluminados sobem ao céu para indicar aos espíritos a rota a se seguir para conseguirem chegar às suas antigas casas para o convívio de seus familiares, bem como mostrar-lhes o caminho de retorno, após a celebração.


Oferendas e visitas: Acredita-se que as almas das crianças regressam de visita no dia 1º de novembro, e as almas dos adultos no dia dois. No caso de não poder visitar a tumba, seja porque a tumba não exista, ou a família esteja muito longe para visitá-la, também são feitos altares nas casas, onde se põe as ofertas, que podem ser pratos de comida, o pan de muerto, jarras de água, cigarros, brinquedos para as almas das crianças e algumas bebidas alcoólicas, entre elas a tequila, mezcal,  pulque e atole. Tudo isto se coloca junto com retratos dos defuntos rodeados de velas.






Por: Amanda Bastos Maciel

Fonte: viajeaqui/mochilabrasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…