Pular para o conteúdo principal

Ilha do Mel



Situada na Baia de Paranaguá, a Ilha do Mel é um ponto turístico muito importante no Paraná. Dos seus 2.700 hectares, apenas 200 hectares têm permissão de uso, o restante é reserva ecológica tombada pelo Patrimônio Histórico em 1975, e desde 1982 ela é administrada pelo Instituto Ambiental do Paraná.
A chegada na Ilha é através de barcos que saem de Pontal do Sul, levando  cerca de  30min, ou de Paranaguá, 1h45min. Para passar os dias na Ilha os turistas dispõem de pousadas, que vão desde a locação do espaço para armar a barraca até quartos exclusivos de diversos tamanhos.
A Ilha do Mel tem uma doçura a mais, encanta qualquer pessoa que goste de ficar em contato com a natureza. A energia do local é tão boa que Paulão, um senhor de aproximadamente cinquenta e poucos anos, uma das “lendas” da ilha, foi cativado pelos seus encantos. Após visitar o local, Paulão, como é carinhosamente chamado pelos nativos e turistas, não quis mais voltar para Curitiba, cidade em que morava. Dono de uma vida cercada de dinheiro e luxúria, ele conta que largou sua casa, carros, empresas e uma das suas paixões, as suas Harley Davidson, para passar a morar em uma barraca com espaço para duas pessoas em um camping da Ilha.
Paulão diz que sua maior riqueza é uma boa conversa com os visitantes, dono de uma barba de mais de 40 sentimentos ele tem histórias e tanto para contar. Encontrou sua fortuna na natureza e na simplicidade, para quem quiser ter um dedo de proza com o famoso Paulão é só ir até o camping Canto da Vó.


A ilha possui  alguns pontos turísticos, entre eles está:

Farol das Conchas, para modernizar a navegação comercial brasileira o Imperador D. Pedro II ordenou, em 1870, o início das obras, realizadas por uma empresa inglesa sob a supervisão do engenheiro Zózimo Barroso. Os materiais foram importados da Escócia e foi Inaugurado em 1º de abril de 1872, localizado no alto do Morro das Conchas, pode ser avistado de quase todos os pontos da Ilha do Mel.


Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, único monumento militar do século XVIII existente no Paraná, instalado nos contrafortes do Morro da Baleia, erguido com paredes de um metro e meio de espessura, a Fortaleza foi concluída em 23 de abril de 1769. No alto do Morro da Baleia, junto à Fortaleza, estão canhões e trincheiras de pedras. É o chamado “Labirinto dos Canhões”. Há também um mirante  com uma incrível vista panorâmica. Chega-se até lá por trilha no morro.


Gruta de Encantadas, situada na parte sul da Ilha, é o patrimônio natural mais importante da Ilha do Mel. O morro da Gruta, formado por um tipo de rocha chamado migmatito é dividido por um veio de rocha negra, o diabásio. A Gruta se formou pela ação do mar sobre o diabásio e hoje desperta a curiosidade dos que visitam a região



Texto: Amanda Bastos Maciel 
Fotos: Jaime Martini/internet

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…