Pular para o conteúdo principal

A Evolução da Fotografia


Quem é que não se lembra da época em quando tirar fotos era um processo trabalhoso, que demandava a logística de ter que levar o filme para a revelação e ainda ter que torcer para que aquelas fotos não saíssem queimadas?

A fotografia, assim como qualquer outra coisa no mundo, sofreu várias adaptações e mudanças com o passar dos anos, tudo para se tornar cada vez melhor e mais prática, independendo de profissionais para se conseguir bons cliques.

Segundo dados da revista INFO, a cada dois minutos registra-se mais fotos do que a humanidade já produziu durante todo o século 19! São mais de 19 trilhões de fotos já tiradas!

Até chegarmos à foto digital muitas transformações aconteceram ao longo do tempo. E a criação final não pode ser considerada obra de apenas uma pessoa. Diversos sábios e pesquisadores foram somando conceitos até chegar ao que conhecemos hoje como foto. A começar por Leonardo da Vinci por volta de 1558 quando usava a câmera escura, que foi a base da invenção da fotografia, usada para o registro de imagens. Um personagem importante foi Ângelo Sala, em 1604 descobriu que um composto prata ficava escuro quando exposto ao sol.

A fotografia é o processo de obter imagens através da ação da luz. A primeira fotografia de que há registo (a preto e branco) é de 1826 e o seu autor foi o francês Joseph Nicéphore Niépce.

O trabalho de Niépce, que para ele se chamava heliografia (gravura com a luz do sol), não se parecia em nada com as fotografias atuais. A sua fotografia de 1826 é considerada a primeira foto permanente do mundo e foi feita sobre uma placa de estanho, coberta com um derivado de petróleo chamado betume e exposta durante cerca de 8 horas à luz solar.

Nove anos mais tarde, Henry Talbot obteve os primeiros negativos e em 1839 Louis Daguerre divulgou o primeiro processo fotográfico industrial ou se quisermos o percursor da máquina fotográfica – o daguerreotipo.

A técnica foi evoluindo e em 1871 surge à fotografia instantânea que veio revolucionar por completo as expressões artísticas. Até então a pintura era o único processo capaz de imitar a realidade visível como se fosse uma imagem fotografada.

A partir de 1888 é que de fato a fotografia se popularizou surgindo empresas como a Kodak, abrindo portas para que todos pudessem tirar suas fotos com máquinas e os rolos de filme. Primeiramente surgindo em preto e branco e depois os filmes coloridos, com melhorias também na qualidade, no foco e na rapidez da revelação.

Mas a grande transformação na história da fotografia estava por vir no final do século XX com a digitalização. A foto digital superou todas as expectativas reduzindo custo, acelerando a produção, facilitando o armazenamento e visivelmente dando alta qualidade às imagens.


A fotografia digital teve seu primeiro modelo em 1975. Foi construída por Stven J. Sasson, um funcionário da Kodak. O protótipo pesava aproximadamente três quilos, a resolução era somente 0,01 megapixels. A imagem demorava 23 segundos para ser gravada numa fita cassete digital e mais 23 segundos para ser lida e transmitida numa televisão. Hoje, a fotografia digital é uma realidade.

A fotografia tirada com uma câmera digital ou determinados modelos de telefone celular, resulta em um arquivo de computador que pode ser editado, impresso, enviado por e-mail ou armazenado em websites, etc. Dispensa, assim, o processo de revelação, o que revolucionou o mundo fotográfico. 
Por: Diana Pretto

Comentários

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…