Pular para o conteúdo principal

Países na Copa - Argentina

Mais um capítulo sobre a série do Gorpacult, Países na Copa, que vem abordando a cultura dos 32 países que irão participar da Copa do Mundo aqui no Brasil. Dessa vez, o país escolhido foi nossa vizinha irmã, Argentina.
País sempre muito lembrado pelo seu tango, vinho e o futebol, a Argentina possui muitas outras atrações culturais, tanto construídas pelo seu povo, como suas belezas naturais. Outras expressões artísticas como o teatro, a pintura, a escultura, a música e a literatura, também representam o país.
A Argentina é o segundo maior país da América do Sul em território e o terceiro em população, constituída como uma federação de 23 províncias e uma cidade autônoma, Buenos Aires. É o oitavo maior país do mundo em área territorial e o maior entre as nações de língua espanhola.
Buenos Aires é uma das grandes capitais do teatro. O Teatro Colón é um ponto de referência nacional para os espetáculos de ópera e música clássica. Construído em finais do século XIX, a sua acústica é considerada a melhor do mundo. Na literatura, a Argentina destaca-se pela qualidade dos seus escritores, que, em muitos casos, se posicionaram como referências da literatura latino-americana. É o exemplo de Jorge Luis Borges, talvez o escritor mais reconhecido da América Latina. 
No país existem dois gêneros musicais típicos, como representantes de duas regiões diferentes: o tango, mais representativo de Buenos Aires que do resto do país, é o símbolo musical dos argentinos no exterior. E o folclore, que é mais representativo do interior do país e tem como principais expoentes Mercedes Sosa, Horacio Guarany, Los Nocheros, entre outros.
O esporte mais popular na Argentina é sem dúvidas o futebol, ele é quem desperta as maiores paixões e torcidas. Seus dois principais jogadores, Diego Armando Maradona, e Lionel Messi, são ídolos eternos em seu país. Muito popular também por sua eterna rivalidade com o Brasil, tanto seus clubes, como suas respectivas seleções, considera por muitos como a maior rivalidade do mundo.
A seleção argentina é uma das mais bem sucedidas, vencedora da Copa do Mundo de 1978 e da Copa do Mundo de 1986, 14 títulos da Copa América, Copa das Confederações de 1992, entre muitos outros títulos, promete agora, na Copa do Brasil, acirrar ainda mais sua rivalidade, e estragar os planos da seleção brasileira. 

Por: Diana Pretto



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…