Pular para o conteúdo principal

Henrique Borgato

O Paraná sempre foi um estado que produziu talentos em diversas áreas. Uma delas é a literatura: Paulo Leminski, Dalton Trevisan, Helena Kolody, entre tantos outros são exemplos da capacidade literária do estado. Jovens talentos continuam a aparecer, é o caso de Henrique Borgato, que com 17 anos publicou seu primeiro livro, chamado O Estrangeiro: A Guerra dos Quatro. O jovem escritor paranaense nasceu em São José da Boa Vista, no norte do estado e atualmente mora em Guarapuava, cursando jornalismo na UNICENTRO.
Com quantos anos você começou a escrever?
Comecei a escrever com cerca de 8 anos, eu acho. Sempre fui instruído a ler muito pelos meus pais, e desde muito pequeno tive gosto por escrever as mais variadas histórias. E sem ter prática, creio que com o tempo fui adquirindo-a.
Quais seus autores e livros favoritos?
JK Rowling, Joseph Delaney e Edgar Allan Poe. E meus livros preferidos são as sagas As Aventuras do Caça Feitiço (Joseph Delaney) e Harry Potter (JK Rowling).
Quantos livros você já escreveu?
Livros oficiais, com código ISBN e etc, só fiz um, que é este, O Estrangeiro: A Guerra dos Quatro. Porém, já cheguei a escrever muitas outras coisas, entre contos, poemas e tantos outros que hoje se encontram espalhados pela internet. Porém, sem dúvida estou caminhando para a publicação de um segundo livro.
Em que você se inspira para escrever?
Bom, a minha inspiração é meio repentina, sabe. É mais de momento. Assim, acho que sempre estou inspirado, só tenho que ter um gancho, uma ideia mestre... E essas ideias eu sempre tiro dos livros que leio, dos filmes que assisto, dos jogos que eu jogo e acima de tudo dos testes. Eu sempre estou escrevendo, testando se aquela ideia é boa ou não. Tudo é uma questão de prática...
Quais suas principais referências?
Como principal referencia eu tenho a JK Rowling, pelo seu estilo de escrita muito descritiva em 3º pessoa. Também aprecio o trabalho do Joseph Delaney, com seu trabalho na 1º pessoa. E em poesia, Edgar Allan Poe pelo seu estilo de fazer história.
Quanto tempo demorou para escrever o livro?
Entre o tempo que eu escrevia o meu livro, tive várias pausas devido à faltas de criatividade e/ou falta de tempo. Mas se juntar todo o tempo creio que foi o período de um ano, mais ou menos.
É necessária muita dedicação?
Sim, é necessária muita dedicação. Idéias não surgem do nada. Você tem que ter pelo menos um preparo, alguma referencia ou coisa do tipo. Isso não significa que você precise largar tudo para cuidar do livro, mas sim que precisa gastar um bom tempo pensando, escrevendo, reescrevendo, analisando todos os aspectos da história e finalizando-o bem. Enfim, precisa-se, além de dedicação, muita paciência.
O que você acha que faz uma boa história?
Acho que um pouco de fantasia ou de ficção fazem sempre uma boa história. Tenho alguns ideais acerca disso. Acho que o mundo já é muito poluído de desgraça. Um pouco de leitura fantastica ou ficcionista tem o poder de levar o leitor à um outro mundo. Fugir dos seus problemas ali. Para o livro ser bom, só depende do autor colocar esses ideais em uma boa trama e seguir em frente.

SINOPSE: Após uma noite misteriosa, um rapaz aparece à margem do litoral paranaense. Após residir algum tempo em um orfanato, sem qualquer indicio de memória anterior e movido pela dúvida de quem era, tem a sorte de ser adotado. Agora nomeado Edwin, adapta-se muito bem à sua nova vida, com seus novos amigos. Porém, ainda sem parte de sua memória, ele simplesmente sabe que não era um garoto normal. Eis que surge seu tio adotivo, quem lhe explica o que ele é, um mestiço de humano e alienígena. E não bastasse isso, ele lhe passa uma missão, qual é dever de Edwin cumpri-la sem delongas, numa emocionante aventura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…