Pular para o conteúdo principal

Capitães da Areia

Capitães da Areia - Jorge Amado

Autor:
Jorge Amado nasceu em Itabuna (BA), em 10 de agosto de 1912, e passou a infância em Ilhéus. Fez os estudos universitários no Rio de Janeiro e depois deixou o Brasil e por cinco anos viveu na Europa e na Ásia. Morreu em 6 de agosto de 2001, em Salvador. É o romancista brasileiro mais traduzido e conhecido em todo o mundo.
Suas principais obras são: "O país do carnaval" (1930), "Capitães da areia" (1937), "Gabriela, cravo e canela" (1958), "A morte e a morte de Quincas Berro d’Água" (1961), "Dona Flor e seus dois maridos" (1966), "Tieta do agreste" (1977) e muitas outras.

Contexto Histórico:
Escrita na época em que a Bolsa de Valores de Nova York quebrou (década de 1930), a obra mostra a revolta da população nordestina que gerou a Revolução de 30. Jorge Amado é considerado um dos mais importantes militantes da época e também um dos autores responsáveis pela criação de um novo estilo na literatura, onde a linguagem regional e as gírias locais estão presentes.

Resumo da Obra:
A obra conta a vida dos Capitães da Areia, um grupo de cerca de 100 garotos abandonados e órfãos que moram em um trapiche na cidade de Salvador, e vivem do furto. A história gira em torno das aventuras vividas pelo chefe Pedro Bala, filho de um famoso estivador que morreu numa greve no cais da cidade com um tiro, e as outras crianças, das quais se destacam:
Sem-Pernas, menino coxo, que guarda um grande ódio em seu coração por toda a sociedade, principalmente pelos policiais, que uma vez o capturaram e o fizeram correr em volta de uma sala enquanto o maltratavam com tapas e chicoteadas. Por ser manco, às vezes era usado para assaltos, pois pedia ajuda a famílias ricas e ficava na casa até identificar todos os bens valiosos do lugar, e então informava os amigos.
Gato, que recebeu esse nome por ser o mais belo entre os meninos. Gato acaba se apaixonando por Dalva, uma prostituta, que acaba se envolvendo com ele logo após de ser abandonada pelo amante.
Professor, o único das crianças que sabe ler e conta histórias para os outros. Às vezes, ganha alguns trocados fazendo retratos das pessoas, e a maioria de seus furtos são livros, os quais ele passa a noite lendo iluminado pela luz de uma vela.
Pirulito, que após conhecer o Padre José Pedro, descobre um amor incondicional a Deus e sua vocação religiosa.
Volta Seca, afilhado do famoso Lampião, e que sonha em fazer parte de seu bando quando crescer.
João Grande, que tem o respeito do resto por seu tamanho e sua bondade.
Boa Vida, garoto que se contenta com pouco e não gosta de trabalho.
Ao decorrer da história, conhecemos também o Padre José Pedro, um homem humilde que só conseguiu entrar no seminário com a ajuda de seu ex patrão, e que faz de tudo para ajudar os meninos a mudarem de vida; a mãe-de-santo Don’Aninha, que cuida dos garotos quando estão doentes; o capoeirista Querido de Deus, que ensina aos meninos as artes da capoeira e o estivador João de Adão, que trabalhou com o pai de Pedro Bala.
Em meio a tantas aventuras dos meninos, Volta Seca e Sem-Pernas passam a trabalhar para o dono de um carrossel que passa pela cidade. O carrossel trás aos meninos, menos que por um pouco tempo, a felicidade de poder brincar como crianças novamente.
Em certo momento, a varíola assola a cidade e um menino do grupo contrai a doença e é levado para sua família, mas acaba que a saúde pública descobre e o interna. Um pouco depois, aparecem Dora e Zé Fuinha, ela com 13 anos e ele com 6 anos, filhos de vítimas da varíola, que são encontrados por João Grande e Professor e os acolhem, já que os irmãos não tem para onde ir. De começo, os meninos do trapiche tentam abusar de Dora, mas ela é protegida por João Grande e Professor, e logo depois Pedro Bala percebe que Dora era apenas uma menina, e proíbe qualquer um de tentar abusar da garota. Em poucos meses, Dora já é chamada de irmã pelos meninos ejá participa dos assaltos. Ela acaba se apaixonando por Pedro Bala, que tem o sentimento recíproco. Outro que se apaixona pela menina é Professor.
Em um assalto a uma casa, Pedro Bala, Dora, Gato, Sem-Pernas e João Grande acabam sendo pegos pela polícia, mas Pedro Bala consegue libertar os outros, sendo detidos apenas ele e Dora. A menina é levada para o orfanato, enquanto ele é levado para o reformatório. Lá, ele sofre oito dias dentro da cafua, um quarto em baixo das escadarias onde o menino mal consegue ficar em pé. Lá ele fica apenas a base de água e feijão, o que o deixa meio doentio. Após os oito dias passados, ele é mandado para trabalhar na colheita de cana, onde consegue se comunicar com os outros capitães, que o ajudam a fugir do reformatório. Alguns dias após a fuga, Bala e seus amigos conseguem retirar Dora do orfanato, de onde a menina sai muito doente. A doença piora depois da fuga, o que entristece todo o trapiche. Don’Aninha tenta ajudar a menina com rezas e remédios caseiros, mas não tem muito sucesso. Após muita insistência de Dora, Pedro Bala consuma o amor dos dois com o ato, e no mesmo dia a menina acaba falecendo. Gato vai para Ilhéus com Dalva, onde enriquece enganando ricos fazendeiros.
Após algum tempo, os mais velhos do grupo resolvem sair do trapiche e seguirem suas vidas: Professor conhece um senhor que o leva para o Rio de Janeiro, onde ele começa a estudar artes e se torna um conhecido pintor. Volta Seca resolve ir para Aracaju, passar um tempo com os Índios Maloqueiros, os Capitães da Areia de Aracaju, mas no meio do caminho ele encontra seu padrinho Lampião, que o aceita no bando. Pirulito se torna capuchinho e parte para ajudar Padre José Pedro em sua nova paróquia. Boa Vida vai aos poucos se distanciando do trapiche, e se torna um malandro da cidade, que gosta de festas e muita farra. Sem-Pernas acaba se jogando do elevador de Salvador numa perseguição entre a policia e os capitães, pois não queria que a policia o capturasse e o maltratasse novamente.
Pedro Bala e os meninos que ficaram no trapiche, então, ajudam João de Adão e um amigo, Alberto, numa greve. Após a greve, Alberto os transforma em uma brigada de choque. Depois disso, Bala recebe a missão de ir a Aracaju transformar a vida dos Índios Maloqueiros, como Alberto transformou a vida dos Capitães da Areia. E então, após passar o comando do bando para um outro menino e começa a lutar pelos direitos da população, como seu pai fez há tempos.


Referências:

AMADO,Jorge. Capitães da Areia. 23. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2009

ESTUDANTE, Guia do. "Capitães da areia" - resumo da obra de Jorge Amado. 2014. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br>. Acesso em: 06 jun. 2014

BRASIL, Universia. Estude os livros obrigatórios da Fuvest e Unicamp 2013: Capitães da Areia, de Jorge Amado. 2012. Disponível em: <http://noticias.universia.com.br>. Acesso em: 06 jun. 2014.

 


Elaborado por: StéfanieYumi Batista Morimitsu PET/LETRAS/UNICENTRO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…