Pular para o conteúdo principal

Memorial de Aires

Memorial de Aires - Machado de Assis

Autor
Joaquim Maria Machado de Assis nascido em 21 de junho de 1839, no Rio de Janeiro. Foi garoto pobre, filho de um operário mestiço, que marcou a história da literatura brasileira, sendo seus trabalhos constantemente republicados em vários idiomas.  Nos anos de 1980, machado inaugura o Realismo na literatura brasileira, quando publica Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), essa marca a segunda etapa de sua produção. O escritor desenvolve uma ironia feroz, um humor velado e amargo em relação àquilo que retratava da sociedade.
Contexto Histórico
A obra Memorial de Aires publicada em 1908, mesmo ano de falecimento do autor, foi o último romance de Machado de Assis que é o menos pessimista da II fase, mas paradoxalmente, é o mais melancólico de todos. Depois da morte da esposa Carolina (1904), o escritor sente-se triste e diminui o ceticismo irônico em troca de uma evocação saudosa da vida familiar no Rio de Janeiro da década de 1880. O tom nostálgico e terno da narrativa parece corresponder à última visão de mundo do próprio Machado de Assis, sendo que a própria personagem D. Carmo lembra em muito a esposa morta. Além disso, a narrativa do Memorial abrange os anos de 1888 e 1889. Machado de Assis, mestiço e discretamente abolicionista, registra com simpatia, sempre usando as palavras atenuadas de Aires, o momento em que a abolição da escravatura é concretizada.digital marketing
A forma adotada no romance é a de um diário. Assim, Machado de Assis pode continuar a escrever no estilo "livre", repleto de digressões, que caracteriza sua fase realista.  Trata-se do diário de um aposentado, que pouco age e que está interessado principalmente em observar como se comportam seus semelhantes.digital marketing A temática da velhice é apresentada, na cena do cemitério, não apenas de maneira literal é também mostrada de forma metafórica, por meio das reflexões de Aires sobre o túmulo familiar.digital marketing
Resumo da Obra
Marcondes de Aires, aposentado após mais de trinta anos sendo diplomata no exterior, viúvo e solitário, resolve escrever sobre si, sobre o casal Aguiar e sobre os “filhos postiços” deste, Tristão e Fidélia, como meio de distração da tediosa velhice. Quando escreve seu diário, Conselheiro Aires parece construir sua autobiografia através da vida dos personagens que ele observa e descreve, pois assim, ele analisa sua própria existência, claro que intrínseca de uma requintada ironia. Aguiar e D. Carmo estão casados há 25 anos, tem um casamento estável e feliz, mas sofrem com a ausência dos filhos. A mulher era a que mais sentia essa falta e para aliviar um pouco essa dor transferiu seu amor de mãe para seu afilhado Tristão e para a jovem viúva Fidélia, a qual chamava de “minha filha”.
Conselheiro Aires escreve seu diário para fugir do ócio da velhice. Ao conhecer Fidélia, coloca-se desafiado a conquistá-la, então aposta com a mana Rita que tinha certeza absoluta que a viúva jamais se casaria de novo.Tristão deixa os pais “postiços” para acompanhar seus pais em uma viagem à Europa. Acaba ficando por lá e formando-se em medicina. Ele às vezes envia cartas até que não mais. A notícia de seu retorno ao Brasil alegra o casal Aguiar, em especial d. Carmo, já que Fidélia se despedira numa carta com um “da sua filhinha Fidélia”.
Ao se conhecerem Fidélia e Tristão se apaixonam. Conselheiro Aires abandona seu desejo de casar-se com Fidélia e volta-se totalmente para o casal Aguiar e para a sua condição de velho, viúvo e solitário. Porém, sábio e equilibrado. Fidélia e Tristão casam-se e vão para a Europa deixando mais uma vez o casal Aguiar solitários por estarem longe de seus filhos. No último capítulo do diário, Aires parece almejar juntar-se à solidão do casal Aguiar, o único destino dos velhos.
Referências
ASSIS, Machado. Memorial de Aires. São Paulo: Núcleo, 1996. - (Coleção Núcleo de Literatura)
Memorial de Aires. Disponível em: <http://professorclaudineicamolesi.blogspot.com.br/2012/12/analise-38-memorial-de-aires.html> Acesso em: 26 de maio de 2014.
Machado de Assis, Criador do Realismo Brasileiro. Disponível em:<http://guiadoestudante.abril.com.br/blogs/entrevistas-defuntos-historicos/machado-de-assis-criador-do-realismo-brasileiro-fala-sobre-sua-vida-e-obra/> Acesso em: 26 de maio de 2014.
Memorial de Aires. Disponível em: <http://www.resumosdelivros.com.br/m/machado-de-assis/memorial-de-aires/> Acesso em: 26 de maio de 2014.
Memorial de Aires – Terra Educação. Disponível em: <http://educaterra.terra.com.br/literatura/livrodomes/2004/04/05/000.htm> Acesso em: 26 de maio de 2014.
                                                                      

Elaborado por: Jaqueline Almeida de Lima. PET/LETRAS/UNICENTRO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…