Pular para o conteúdo principal

O PRIMO BASÍLIO


O PRIMO BASÍLIO - EÇA DE QUEIRÓS
Autor
Eça de Queirós (1845-1900) escritor português foi um dos principais responsáveis pela introdução do realismo em Portugal, o único romancista português que conquistou fama internacional nessa época. Além disso, foi duramente criticado por suas críticas ao clero e à própria pátria. A crítica social unida à análise psicológica aparece também nos livros “O Primo Basílio”, "O Mandarim", "A Relíquia" e "Os Maias".

Contexto Histórico
Nessa obra Eça de Queirós tenta desvincular-se dos traços do Romantismo, mesmo produzindo romances, porém num tom mais realista. Aborda em seus personagens a classe burguesa e a proletária. O período é a geração de 1870 que tem como intuito combater o romantismo e instalar ideias realistas em Portugal. As principais características da obra é a crítica social, a descriminação social, exploração da sexualidade, moral, costumes, a religião e o atraso de Lisboa referente a Paris, após a Revolução Industrial.

Resumo da obra
A jovem Luísa morava com sua mãe e namorava as escondidas com seu primo Basílio. O jovem mudou-se e a apaixonada menina lamentava a falta dele. Certo dia Luísa conhece um moço chamado Jorge e passa a admirá-lo. Tempos depois a garota é surpreendida com um pedido de casamento feito por Jorge. Após o casamento Luísa tinha uma vida socialmente estabilizada. O marido fazia muitas viagens e por isso convocou uma reunião de despedida para os amigos, pedindo em especial para Sebastião, seu amigo mais íntimo, cuidar de sua esposa e também para evitar os encontros dela com a Leopoldina, uma mulher falada na cidade. Durante a viagem do marido Luísa recebe uma inesperada visita, a do seu primo Basílio, o qual passou a visitá-la todos os dias. Em uma de suas visitas Basílio beija Luísa, apesar de ter gostado repreende-o. Como os encontros eram rotineiros a vizinhança começou a reparar e a surtir comentários, pois não tinham real conhecimento de quem era aquele rapaz. O rapaz muito esperto, com delicadeza ia conquistando a Luísa, comunicando-a que encontraria uma casa para os seus encontros. Ela recebia diariamente cartas de Basílio, então resolve escrever também, porém nesse instante chega a sua casa D Felicidade, e para esconder a carta joga-a na lata de lixo. Como estava preocupada resolveu buscá-la, mas a lata estava vazia. A jovem recebe o endereço da casa de encontro e vai todos os dias para ver o seu amado. Juliana empregada de Luísa estava farta de humilhações recebidas pela patroa e conta que a carta não está no lixo, e diz que entregará a Jorge quando voltar de viagem. Luísa pensa em fugir com Basílio, mas ele não quer e volta para Paris sozinho, ela percebe então que foi enganada por ele. Juliana passa a fazer chantagens e humilha Luísa obrigando-a fazer os serviços da casa. Chega Jorge e a vida de Luísa piora, pois as ameaças continuam e com mais severidade. Luísa procura ajuda com Sebastião mesmo envergonha, mas ele era a única pessoa que podia ajudá-la. Ele monta um plano e Juliana é pega, entrega a carta, e acaba morrendo. Luísa queima a carta. A jovem adoece, e nesse período Basílio escreve a Luísa, porém como estava doente quem leu foi Jorge. Descobriu tudo, irritado após uma melhora de sua esposa fala que já sabe de tudo. Porém Luísa depois de ouvir desmaia. Jorge percebendo que perderia a sua esposa a perdoa, mas ela falece.

Referências

Elaborado por: Ana Paula Kuchla e Neide Tracz PET/LETRAS/UNICENTRO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…