Pular para o conteúdo principal

Lobas, time feminino de Rugby se destaca em Guarapuava e região




Inspiradas na atleta da seleção brasileira e de Curitiba, Haline, as amigas Guarapuavanas Daiana Felchak e Tauana Oliveira resolveram montar um time de Rugby aqui na cidade. Decidiram juntar pelo menos doze atletas e segundo Tauana o processo foi seletivo. “O primeiro grupo foi escolhido a dedo. Depois falamos com o Presidente do Clube de Guarapuava, O Lobo Bravo, que nos apoiou de imediato e no mesmo instante propôs que Waldir Reccanello fosse o nosso ajudante com os treinos. Então no dia 23 de Janeiro de 2013 as Lobas nasceram”, conta.

Quais campeonatos já participaram

II Etapa do Campeonato Paranaense. Nesta etapa, acabamos surpreendendo, já que nunca tínhamos jogado e logo no primeiro jogo saímos na frente do adversário. Não conseguimos a vitória, mas jogamos de igual pra igual e ao fim da etapa conseguimos uma vitória diante do Maringá, um time já experiente na competição. De seis equipes, ficamos em quinto, tendo a atleta Angela Marx considerada a jogadora revelação da competição.
Jogamos também a III Etapa e surpreendemos ainda mais, ficamos em quarto lugar de sete equipes, sendo eu, Tauana Oliveira, considerada atleta revelação da competição.

Em seguida, jogamos os Jogos Abertos do Paraná, em Cascavel, tendo um resultado notável com a terceira colocação na competição e eu indicada ao Prêmio Orgulho do Paraná.

Jogamos ainda a IV Etapa do Paranaense, mas não fomos tão bem, por ter vários desfalques e atletas lesionadas, ficamos em sexto de seis equipes. Não jogamos a última etapa pelos mesmos motivos e ainda assim ficamos em quinto lugar no geral de sete equipes.

Todas essas competições citadas foram em 2013. Em 2014, conseguimos trazer a primeira Etapa para Guarapuava, onde ficamos em quinto lugar de sete equipes. A II Etapa ocorreu em Cascavel onde ficamos com o terceiro lugar, um feito inédito. Conquistamos ainda a taça bronze em uma das etapa do campeonato sul brasileiro em Curitiba, participando como convidadas, outro feito inédito. E a última etapa do Paranaense será em Guarapuava, no final de Novembro. Atualmente estamos em quarto no ranking geral, resultados excelentes para o pouco tempo do time.

Existe patrocínio? É difícil o apoio?

O incentivo ao esporte é precário, todas as competições citadas e todos os custos são bancados por nós mesmas, desde uniformes até às inscrições. Não temos apoio financeiro de nenhuma empresa e a Prefeitura Municipal de Esportes nos apoia ajudando no transporte para as competições. Temos alguns apoiadores que fornecem seus serviços em troca de publicidade. Academia Cia do Corpo fornece a academia para o treinamento das atletas, Farmácias Trajano fornece medicamentos para as competições, Rede TVplay nos fornece espaço de publicidade e Felchak produções apoia com troca de serviços. Em 2014 firmamos convênio com a Faculdade Guairacá.

O time possui vínculos com alguma entidade?

Agora em 2014, firmamos convênio com a Faculdade Guairacá, agora o Clube é Lobo Bravo Faculdade Guairacá Rugby. E também em 2014, conseguimos um convênios com o SESI no projeto atletas do futuro.

Quantas meninas participam?

Em média 25 meninas, com bastante rotatividade.

Qualquer pessoa pode participar ou existe uma seleção?

Qualquer meninas, com qualquer biótipo pode jogar. Pode ser Alta, baixa, gorda, magra, fraca, forte, rápida, lenta, ex atleta, sedentária, ativa. O rugby é para todas e qualquer uma pode aprender.

Quais as maiores dificuldades?

As maiores dificuldades são, primeiramente, manter o clube apenas com as finanças das atletas. Em segundo, o local de treinos, como o campo municipal estava em reforma treinamos na praça ucraniana ou na quadra do Joaquim Prestes. Ajuda, mas não é muito favorável, visto que as dimensões do campo são bem maiores e assim temos o treinamento prejudicado quando as habilidades são passadas para o campo em dia de competição. A terceira maior dificuldade é atrair atletas, pois o rugby dá uma falsa impressão de violência, quando na verdade é um jogo para verdadeiras damas.

Como é praticar um esporte ainda pouco conhecido no Brasil?

O rugby é o segundo esporte que mais cresce no mundo e a Copa do Mundo de rugby só perde para a copa do mundo de futebol em magnitude. Além das dificuldades já citadas, existem as referentes ao preconceito, à falta de incentivo, o descaso, a desvalorização. Em contrapartida, a superação em manter tudo isso na ativa é o que nos motiva a quebrar paradigmas e continuar fazendo a diferença. Esperamos em breve ter várias crianças praticando o esporte para que assim tenhamos a renovação desde as categorias de base até as equipes de rendimento na categoria adulta.

Quais são os planos para o time?

Os planos são de um dia, que está próximo, estar entre os primeiros do Estado, assim poderemos participar de competições nacionais de maneira competitiva. Para isso, queremos obter bons resultados e atrair patrocinadores, a fim de montar projetos de categorias de base e renovação de atletas, bem como firmar parcerias com grandes empresas em favor da sociedade guarapuavana, com projetos de voluntariados usando o esporte como ferramenta educacional de jovens e crianças até a vida adulta.


É importante ressaltar que o rugby é um esporte baseado na ética. Os jogadores são ensinados a valorizar o adversário, o companheiro e o árbitro, pois sem ambos o esporte não seria possível. Os torcedores são incentivados a terem apenas atitudes motivacionais e não ofensivas. É um esporte que recebe qualquer pessoa de braços abertos, após os jogos a equipe vencedora aplaude a perdedora e é tradição realizar o chamado terceiro tempo, uma confraternização das equipes, onde todos viram um time só em comemoração ao rugby e a equipe anfitriã fornece o jantar à equipe recebida.


Por: Amanda Bastos Maciel

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

RESUMO DA OBRA "PONCIÁ VICÊNCIO", DE CONCEIÇÃO EVARISTO

A escritora Conceição Evaristo nasceu em Belo Horizonte, em 1946, numa favela no alto da Avenida Afonso Pena, como era uma área valorizada da capital, a população que lá vivia foi removida para outros bairros da cidade e da área metropolitana, para que novos prédios e ruas fossem construídos na região. Conceição carrega nas memórias acontecimentos e pessoas do seu tempo de infância, algumas vezes, participam de suas narrativas. Dona Joana, sua mãe, teve nove filhos, era doméstica e lavava roupas para fora, mesmo assim, encontrava tempo para lhes contar histórias que também fazem parte do acervo de Conceição Evaristo, que se diz nascida cercada delas. Enquanto estudava, a autora trabalhou de doméstica na capital mineira. Em 1971, formou-se professora no antigo curso Normal e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde foi aprovada em um concurso municipal para magistério e, posteriormente, no curso de Letras na Universidade Federal daquele Estado. Conceição Evaristo é uma das principa…