Pular para o conteúdo principal

Cabana Coworking - uma nova forma de pensar o ambiente de trabalho



Você é moderno? Passa longe do convencional? Gosta de novidades? Então a matéria de hoje é para você. Surgiu em Guarapuava uma nova forma de pensar o ambiente de trabalho: Cabana Coworking. Renata Nizer Ribeiro, criadora do ambiente, define a Cabana como um local onde todo mundo pode trabalhar, o objetivo é oferecer estrutura como móveis, internet, segurança, cozinha, sala de reuniões e uma infinidade de opções para todos os tipos de profissionais que buscam trabalhar em um lugar inspirador e fora dos padrões do tradicional home office.


G.C: Como ela foi criada ?

Renata Nizer: Sempre que precisava viajar a trabalho, e também no período que morei em São Paulo, precisava de um escritório para trabalhar. Sou publicitária e meu trabalho era representando a agência i9, que tem sede fixa em Guarapuava, em outras cidades. Eu não me adaptei a uma rotina de home office e como estava sozinha não compensava montar uma estrutura toda só para eu trabalhar. Foi então que conheci o coworking e me apaixonei por essa forma de trabalho. Bastava eu chegar com meu computador e trabalhar. O mais incrível nesse modelo é o networking que rola entre o pessoal que trabalha lá... Você pode estar trabalhando de um futuro parceiro de trabalho, de um fornecedor. A troca de ideias é incrível e as possibilidade de negócio que geram também.

G.C: O que é o movimento coworking?

Renata Nizer: É uma nova maneira de trabalhar. Você divide um espaço físico com profissionais de diferentes áreas, em ambientes planejados para pequenas empresas ou autônomos que querem trabalhar em um local adequado. É uma tendência mundial, que permite compartilhar networking, experiências e está alterando para sempre a forma que pequenas empresas, profissionais, freelancers, professores e autônomos se relacionam entre si, com seus fornecedores e clientes.

G.C: Qual tipo de trabalhos encontramos na Cabana?

Renata Nizer: A Cabana tem por premissa, além de reunir profissionais variados, promover cursos, workshops e eventos que venham atender a essa público que busca diferentes alternativas. Eventos de área de marketing, empreendedorismo, oficinas e eventos culturais rolam sempre por aqui. O Brechó Cultural é um deles.

G.C: O Brechó Cultural tem chamado atenção dos guarapuavanos, qual a intenção dele?

Renata Nizer: O Brechó Cultural surgiu com a ideia de reunir profissionais que produzam trabalhos culturais ou artesanais da cidade, para exporem seus trabalhos. Livros, quadros, vinis, bolsas, desenhos, quadrinhos etc. Nas três edições que fizemos o Brechó tivemos muita coisa bacana. O pessoal pode vender ou trocar seus objetos. E sempre há um bate-papo com que produz alguma coisa bacana na cidade, como um blog de leituras, um ateliê de costura, escritores, professores.

G.C: Como surgiu a ideia de elaborar esse projeto?

Renata Nizer: Participamos de um evento parecido no coworking que trabalhávamos em São Paulo, o HUB. A ideia surgiu de lá e pensamos: por que não tentamos em Guarapuava? E o pessoal tem participado bem, o que nos motiva a fazer mais.

G.C: Todas as pessoas que possuem roupas e objetos bacanas para doarem podem participar do Brechó?

Renata Nizer: Sim, o evento é aberto para qualquer pessoa que se identifique com a proposta do evento. Tem gente que traz quitutes deliciosos, tem muitos objetos artesanais, livros, quadros, vinil, roupas, enfim, não há muita limitação. A ideia é que seja bem variado, estilo de uma feirinha mesmo.

G.C: Há quanto tempo está rolando o Brechó Cultural ? Ele possui um lugar fixo para acontecer?

Renata Nizer: Tivemos uma edição em novembro, uma em dezembro e esse ano aconteceu em abril. Como é uma iniciativa da Cabana, o local fixo é sempre lá.


E aí, ficou interessado? Entra na página da Cabana e saiba  ainda mais sobre o espaço: https://www.facebook.com/CabanaCoworking?fref=ts







Por: Amanda Basto Maciel
Foto: Facebook Cabana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…