11.7.16

O que é a cultura do estupro?

            Numa rápida pesquisa na internet, é fácil de encontrar pessoas se posicionando contra a existência de uma “cultura do estupro”. Alguns posicionamentos colocam essa ideia como um “terrorismo psicológico do feminismo”, ou, ainda, como simplesmente uma fantasia da esquerda brasileira. Será mesmo?
            Estadão: “Brasil tem 1 denúncia de violência contra a mulher a cada 7 minutos”. G1: “Médico detido, suspeito de estupros, tem prisão revogada em Valadares”. G1: “Mulher é encontrada morta com sinais de abuso sexual em Araras”. Diário de Maringá: “Mulher é estuprada ao lado do filho bebê em São João do Ivaí”.  Estadão: “Suspeito de estupro coletivo...”. Veja: “Justiça determina soltura de suspeito de estupro no Rio”. Uol: “Veja quem são os suspeito de estupro coletivo contra adolescente no Rio”. G1: “Polícia Civil investiga suposto estupro de menina de quatro anos em Vilhena”
            - Se formos pensar que cultura são todos os hábitos do nosso cotidiano, essas atitudes que cometemos na fala, nos gestos, na maneira como nos comportamos – e não necessariamente precisamos pensar para fazer – é possível dizer, sim, que há uma cultura do estupro. Isso porque as palavras, os xingamentos, as piadas, as músicas, termos, tudo o que usamos para nos referirmos às mulheres fazem parte de uma aceitação social. A língua, já que falamos em expressões, ela é fundamental para entendermos o que é uma cultura de estupro porque constrói nossa cultura. Se formos fazer uma análise linguística nós podemos afirmar que existe uma cultura do estupro no Brasil.
            Mas, ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a violência contra a mulher – e o próprio estupro – não se limita apenas como o abuso físico, e, sim, como um ataque moral, psicológico e, sobretudo, verbal. “A cultura do estupro vai muito além da violência sexual em si. Ela está implícita em todas as atitudes machistas que acontecem diariamente, que oprimem e rebaixam as mulheres a algo inferior. É uma cultura machista. Desde que somos pequenas somos ensinadas a sermos inferiores aos homens, somos ensinas a sermos Amélia”.
            - Isso não é uma coisinha simples, é algo que é ensinado desde pequeno. Eu havia comentado com você das brincadeiras tradicionais, como nas festas juninas onde têm aquelas cadeias onde a menina fica presa, como um objeto, por ordem de um menino, e a única forma dela sair é beijando ele. Esse tipo de brincadeira é aceito socialmente, e até financia muitas escolas que só conseguem dinheiro através dessas festas. É absurdo. E como uma menina se sente numa situação dessa? Ela se sente como um objeto que pode ser jogado para qualquer canto.
            - No Brasil temos uma população extremamente conservadora e machista, e isso está enraizado. Não tem como falar de outra forma... até mesmo nas universidades com os universitários, que fazem essa cultura se proliferar. Um exemplo são as baladas, ‘ah, a guria bebe então ela pode ser abusada’, isso é um absurdo. Criam-se idealizações da mulher, de como ela deve ser e como não deve.
            - Acredito que a cultura do estupro existe por situações que eu passei, de assédio. Eu estava num ônibus e um cara estava com as calças abaixadas quase do meu lado, e muitas pessoas viram mas ninguém fez nada. Quando saí do ônibus ele ainda foi atrás de mim. Foi bem complicado. A cultura do estupro existe, e quando eu conto isso as pessoas logo perguntam qual roupa eu estava usando, como e isso fosse justificar o que o cara fez.
            - Aqui na universidade esses abusos vão desde os apelidos que você não pede, como ‘flor’, ‘querida’, ‘amorzinho’. Por que se referem a nossa aparência? Por que você está encostando em mim? ‘Ah, é melhor você não estudar isso, não é um campo do seu perfil. É muito violento pra uma mulher’, entende? São muitas as situações de abuso e de opressão que as mulheres sofrem aqui na universidade. Um professor casado falou das preferências dele, ‘eu particularmente prefiro a menina com o cabelo comprido, com um perfume, de vestido’. Pô, eu não pedi sua opinião sobre mim. Por que você está infligindo sua opinião como homem, o que você prefere, qual seu tipo de carne preferida? Entre colegas e professores parece que o que prevalece é a preferência deles de nós como objetos.
            E num cenário tão pessimista como o atual, uma das formas começarmos a mudar o pensamento das pessoas e criarmos uma sociedade mais igualitária e humana é o feminismo. “Se a gente desejar uma mudança social, cultural, essa mudança que vejo que está acontecendo em alguns âmbitos, é imprescindível a gente considerar o feminismo. Ele que faz que haja essa percepção das mulheres através de uma visão das mulheres.” 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
| Design by Free WordPress Themes and Kurpias| Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes and Kurpias |