Pular para o conteúdo principal

Sobremesa de inverno: pudim de pinhão

Pudim de pinhão, criado pela gastrônoma Chaiane Leutner

    A gastronomia é um meio que expressa cultura. Não vista apenas como alimento, a comida revela um modo e um estilo de um grupo, de uma região, assim como seus hábitos e costumes, a origem de quem a aprecia. Quem mora no sul do Brasil, certamente, ouve falar dele desde criança e come todo inverno: o pinhão. Muito tradicional na região, principalmente no Paraná, ele é, hoje, uma marca da culinária local.
   Famoso pelo seu sabor, a semente da araucária é versátil na cozinha, utilizada em preparações simples, como o pinhão cozido ou assado, e também em receitas mais elaboradas. Uma das dicas para aproveitar a semente no inverno é o pudim de pinhão, criado pela gastrônoma Chaiane Leutner. Entre os variados pratos, Chaiane, que se formou no início do ano, conta porque escolheu criar uma sobremesa diferente: “Era um trabalho da faculdade em que tínhamos que escolher um prato para ser preparado. Eu escolhi o pinhão porque é um ingrediente da região sul que aprecio muito. Fiz o pudim para diversificar um pouco dos pratos existentes.”
   A receita é simples, fácil de fazer e não leva muito tempo para ser preparada: 

    Ingredientes
1 xícara de pinhão cozido
1 lata de leite condensado
1 lata de leite
2 ovos
3 colheres de sopa de açúcar

    Modo de preparo
Primeiro, triture os pinhões no liquidificador. Depois, acrescente todos os outros ingredientes, menos o açúcar, e bata novamente. O próximo passo é colocar o açúcar na forma para caramelizar.
Em seguida, coloque a massa do pudim batida no liquidificador no forma caramelizada e cozinhar por 45 minutos em banho-maria com a forma coberta.
Após o cozimento, é só desenformar e levar à geladeira por 30 minutos e, então, o pudim está pronto para ser servido.

Texto: Marina Pierine

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…