Pular para o conteúdo principal

SORVETE DE CHIMARRÃO

Por Carlos Souza


O Chimarrão é uma iguaria típica do Rio Grande do Sul, mas que conquistou a região sul do Brasil inteira e até o spaíses com que fazemos fronteira. Essa erva é presente na rotina de muitas pessoas. Seja na escola, no trabalho ou em casa não pode faltar a garrafa térmica cheia de água com o mate ao lado.

Essa bebida é originariamente tomada quente, há algumas exceções e pessoas que bebem fria, mas são raras. A Chaiane Leutner, que é formada em gastronomia teve uma ideia diferente para usar o mate e pensou em fazer um sorvete de Chimarrão diet, mas tudo isso por uma causa nobre.
  
A ideia foi criar um sorvete para pacientes renais de uma Clinica de Hemodiálise da cidade de Guarapuava, os mesmos tem restrição a vários tipos de alimentos, incluindo os líquidos. Através de uma pesquisa feita com a nutricionista da clinica estudada, foram coletadas informações referentes às restrições, hábitos e preferências alimentares dos pacientes.”  Explica Chaiane.

 De acordo com a nutricionista que a gastrônoma consultou, o chimarrão é uma das bebidas prediletas da maioria dos pacientes, porém ele se torna um vilão por ser considerado líquido.
A partir dessas informações surgiu a ideia de transformar a bebida preferida da maioria em algo que fosse saboroso, refrescante (sabor da calda de hortelã) e com o gosto do chimarrão, se tornando uma opção para saciar a sede no verão. Transformando o chimarrão que costuma-se beber quente em algo gelado.

A ideia deu muito certo, e segundo Chaiane quem prova do sorvete, não se decepciona. “Várias pessoas provaram o sorvete e se surpreenderam com o gosto, bem como eu me surpreendi com as reações sensoriais. Praticamente todas as pessoas acharam excelente o gosto e textura, as pessoas que não gostaram tanto e que foram poucas, não apreciaram por não terem hábito de tomar chimarrão.” Conta Chaiane, toda orgulhosa de sua descoberta. Vamos a receita?

Ingredientes:

500 ml Leite
15 g Erva mate peneirada
25 g adoçante culinário
5 g Liga neutra
1 g Emulsificante

Calda
1 porção Hortelã pimenta fresca
100 g Adoçante culinário
125 ml água

Modo de preparo do Sorvete: Ferva o leite, após fervido acrescente a erva mate peneirada e deixe esfriar. No liquidificador, coloque a mistura do leite com a erva, acrescente o adoçante e a liga neutra. Bata durante dois minutos. Leve ao freezer até que fique com uma consistência firme (se utilizar um utensílio de alumínio, o tempo será de uma hora). Retire do freezer corte em pedaços pequenos  e leve para uma batedeira, acrescente o emulsificante e bata até ficar cremoso. Leve para gelar até que fique firme (consistência de sorvete).
Modo de preparo da calda: após higienizar as folhas de hortelã, leve para o liquidificador juntamente com a água, bater até que fiquem bem trituradas. Em uma panela leve ao fogo, acrescente o adoçante e deixe ferver até formar ponto de calda, mais ou menos uns dez minutos. Sirva o sorvete com a calda por cima.
O
bservações: Pode ser trocado o adoçante por açúcar refinado, para 500ml de leite, 100g de açúcar. Para a calda, 100g de açúcar no lugar do adoçante.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…