Pular para o conteúdo principal

Robótica não faz só robô, não!

     Criar robôs ou, ao menos vê-los caminhando junto de nós é algo que todo mundo já imaginou. Os clássicos de Isaac Asimov e até mesmo os criticados filmes de Michael Bay contribuíram para isso. O fato é que o desenvolvimento da robótica nos últimos anos veio para comprovar que antes de termos representações humanoides artificiais convivendo – pacificamente ou não – conosco, primeiro precisamos integrá-la no dia-a-dia e resolver algumas questões mais urgentes.
    Segundo um estudo da Associação Brasileira de Ortopedia Técnica em 2009, apenas 3% dos deficientes físicos brasileiros tinham acesso à tecnologia das próteses. Isso porque, naquele período, uma prótese de mão com sensores, por exemplo, custava no mínimo R$ 20 mil. Esse é um valor muito distante da maioria da população brasileira, mas, sete anos depois, é possível dizer que as coisas melhoraram. “As próteses para crianças são um coisa muito complicada, porque a mão vai crescendo. Então você precisa ir trocando, e é muito caro. Mas, com as iniciativas open source, as coisas melhoram”, afirmou Anderson Troc, coordenador do Laboratório de Ideias de Guarapuava (LAB).
     Andy, como gosta de ser chamado, iniciou as atividades do LAB em 2015, e com poucos meses de funcionamento a robótica já se tornou uma prática recorrente dentro do laboratório. “Começamos com oficinas de escrita, foto, construção biosustentável... tecnologia foi o próximo passo, porquê gosto bastante da área”, contou Andy, que desde sua infância é um apaixonado por construir coisas. E, uma das ações realizadas no LAB é a produção de próteses com impressora 3D. “É uma prótese que estamos produzindo para um garoto de dez anos que só tem o punho”, conta. Isso é resultado da iniciativa open source, onde modelos são disponibilizados gratuitamente na internet e qualquer pessoa pode utilizar.

As próteses feitas com impressoras 3D tem se popularizado nos últimos anos 

    O Laboratório de Ideias de Guarapuava fica na casa do Imigrante, na Rua São Paulo, número 520, e as oficinas ofertadas são todas gratuitas. 

Douglas Kuspiosz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…