Pular para o conteúdo principal

É a crise






Vou ser breve em meu relato. Há algum tempo, durante a tarde, eu cheguei em casa e comecei a checar as minhas mensagens como de costume, assim que o celular conectou automaticamente na rede Wi-Fi (não vamos entrar em divergências quanto a dependência cada vez maior da tecnologia, acho útil).
Em um dos grupos de conversa em que participo me deparei com essas mensagens do print acima. “Feijão tá caro, nunca vi nem ouvi, eu só ouço falar”, enviou um amigo fazendo claramente uma analogia entre o feijão e o caviar da música de Zeca Pagodinho.
Lúdico, triste e real.
Segundos depois fui até a cozinha comer alguma coisa. Escolhi granola com banana e coloquei em um prato. Meu colega estava sentado no sofá com o celular na mão também (detalhe) e eu comentei que estava comendo muita granola ultimamente. Ele disse que também gosta e que fica melhor ainda com iogurte.
- Só que agora tem que escolher, ou a granola ou o iogurte. Comentou.
Voltei para o quarto e liguei as duas coisas que vi e ouvi. Depois percebi que nem perguntei se ele queria um pouco da granola. O que quero relatar é que logo veio uma palavra em meu pensamento que vem sendo usada ultimamente no país. Minha professora do primeiro ano na universidade orientou a fugir da repetição desse termo em tempos como este de instabilidade financeira. Desculpa, mas não tem como fugir. É a crise.

Texto por Marcelo Junior. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…