Pular para o conteúdo principal

Yoga: exercício, meditação e estilo de vida.

Prática tem se popularizado nos últimos anos e vem se tornando uma possibilidade de tratamento de diversas doenças.

Por Douglas Kuspiosz
            Quando se está lá, sentado no tatame, o objetivo é deixar que as preocupações sumam. O cansaço, os problemas do cotidiano, a rotina cada vez mais frenética, tudo isso deve desaparecer. A posição inicial é aquela que todos imaginam quando fala-se em meditar: com as pernas cruzadas ou, com cada pé posto em cima da coxa oposta. Os braços devem ficar sobre os joelhos, com as palmas das mãos para cima e os dedos indicadores e polegares juntos. A partir daí é importante tentar relaxar. É importante concentrar-se na respiração, e, para isso, conta-se quatro segundos para inspirar e oito para expirar. A princípio você nota que está contanto, mas, alguns segundos depois, tudo acontece naturalmente.
            O mantra preenche a sala, de modo que pouco a pouco a sua percepção de que está sentado e que, alguns metros dali, carros passam, muda. Você sente seu corpo expandindo-se e esses detalhes não quase imperturbáveis. A instrutora ema alguns momentos corrige a posição de alguém, ou fala coisas como “é importante manter os olhos fechados para vivenciar”. Faz parte da prática.
            Em seguida, começam as posturas – e são inúmeras. Uma delas é a “postura da criança”, ou “balasana”, onde alonga-se os quadris, coxas e tornozelos. Nela, você deita-se sobre os joelhos dobrados, com as canelas no chão, e seu tronco fica para frente. A cabeça é alongada para frente, podendo tocar o chão, e as mãos ficam além dela. Outra, a postura da “ponte”, ou “dhanurasana” é diferente: com a barriga para baixo, agarra-se as pernas e forma-se um arco.

            Uma prática democracia

            O Yoga é democrático. Crianças, jovens, adultos e idosos: todos podem participar. Vânia Toshiko Kawakami tem 70 anos – faltando alguns dias para completar 71 – e esbanja disposição. Faz Yoga a mais ou menos quatro meses por insistência dos filhos. Ela veio com 11 anos do Japão e seu português é claro. “Eu gosto dessas coisas... eu já fazia exercício localizado há algum tempo, coisa de cinco ou seis anos”.
Ela mistura-se com os mais jovens no tatame e, não hesita em seguir as posturas que a instrutora fala. “Eu tinha medo de começar por causa da minha idade, mas eu comecei devagar e foi bem. Eu sei o meu limite”, lembra. Sempre sorrindo ela mostra os braços quando diz que nunca teve qualquer dor após uma aula. “Desde o começo ela sempre foi muito bem”, retruca a instrutora Maristela Souza, do outro lado da sala. Vânia diz que não havia começado antes porque não tinha uma pessoa de referência, alguém que ela soubesse que praticasse. “Mas agora minha cunhada que veio de São Paulo me disse ‘Ah, mas eu estou praticando também’, e ela tem 86 anos. Então eu acho que não tem idade não”, termina.
E ao lado de Vânia, Bianca Carraro Duda, alguns anos mais jovens – ela tem 22 anos – também já integrou a prática em sua vida. Perguntei o que a havia chamado a atenção no Yoga, e, determinada, respondeu que foi curiosidade. “Eu sabia que existia o Yoga, que era um exercício físico. Mas ele é mais que um exercício, a prática está ligada ao exercício, à respiração, à concentração, à prática corporal. Você vai ao Yoga buscando conhecer alguma coisa, e eu fui para conhece-lo”, conta. Para praticar Yoga é preciso encontrar-se, ter consciência de si mesmo, conhecer os limites de seu corpo e ir além deles. “Todo dia estou conhecendo mais de mim e da prática, não parou na primeira semana”, ressalta.
“A prática está inerente em minha vida, eu venho para o Yoga e ele está integrado em minha vida, faz parte de mim. E a prática não acontece só na aula, mas em todos os lugares, em todos os momentos”, diz Bianca. E isso realmente acontece. A partir do momento em que se percebe o que constitui a prática, nota-se que você pode incluí-lo em diversos momentos do dia-a-dia. “Fora da sala, quando eu consigo fazer algo que antes não conseguia, eu associo isso ao Yoga, essa busca por conhecimento é constante.”
  
Benefícios para o corpo e a alma



A história do Yoga perde-se no tempo, mas sabe-se que surgiu na Índia. Lá existe uma imensidade de escolas, templos e clínicas que ensinam, pesquisam e aplicam o tratamento. Aqui no Brasil a prática chegou na primeira metade do século XX, com a vinda do francês Swami Asuri Kapila (1901 – 1955). Swami pertencia ao Ramana Ashram Internacional de Yoga e apresentou seus ensinamentos em um congresso no Rio de Janeiro para mais de cinco mil pessoas.
Aqui em Guarapuava, quase 80 anos depois do início das atividades no Brasil, Maristela Souza continua levando a prática às pessoas. “O que a gente espera com o Yoga é vivenciar, respirar. A primeira vivência que você tem contato dentro de uma sala de Yoga é entrar em contato com você mesmo.”, explica.
A ida à uma aula pode ser indicada por um médico, um psicólogo. Os benefícios já são conhecidos, mas, quem se dispõe a praticar está atrás de algo que lhe faça bem. “Hoje o Yoga está se tornando essencial para a vida diária. O objetivo é levar os ensinamentos para sua vida, para que você o pratica em casa, no trabalho, no trânsito... eu costumo dizer que você não faz Yoga para ficar calmo, mas para ficar em equilíbrio”.
“Eu acho que o Yoga é um alicerce para todas as coisas que você vem a fazer”, disse Maristela quando perguntei-lhe sobre os benefícios. E eles são muitos, pois, a prática traz alongamento, flexibilidade e principalmente, como já dito, respiração. Algumas doenças que podem ser tratadas são o estresse, reumatismo, doenças nas articulações. “Tem gente que se acidentou e que ao invés de fazer uma fisioterapia prefere o Yoga, porque ele trabalha com o alongamento, com o fortalecimento muscular”, finaliza.
E hoje em dia o estresse está cada vez mais constante em nossas vidas. Trânsito, trabalho, dívidas: são algumas causas desse mal. Nem mesmo os jovens estão livres. Segundo um estudo publicado na Revista de Psiquiatria da USP, a Universidade de São Paulo, 56% dos alunos vestibulandos que foram abordados tinham traços de estresse e ansiedade.
Uma das alunas, Glória Santos, ou “Glorinha”, como todos a chamam, conheceu a prática através do Facebook. Segundo ela, seu interesse pelo Yoga surgiu a partir das experiências que seu pai, que praticou Yoga durante algum tempo, contava. “Eu acabei ficando curiosa e procurei um lugar pra praticar aqui em Guarapuava. Aí eu encontrei o Núcleo de Yoga Ananda”, conta Glória.

Do mesmo modo que Vânia e Bianca, Glorinha viu no Yoga uma forma de melhorar seu condicionamento físico. “No primeiro dia tive alguma dificuldade em relação à elasticidade e força, mas isso me motivou a continuar indo nas aulas e a evoluir”, explica. Mas, acabou vendo no Yoga muito mais que uma atividade física. “Hoje o Yoga significa muito para mim, como se fosse uma válvula de escape para eu poder refletir sobre o mundo, sobre a natureza, meus ator e, por fim, ser uma pessoa melhor”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…