Pular para o conteúdo principal

PERFIL FACES - Pedro Dall’Agnol Ribeiro

Por Carlos Souza

Pedro Dall’Agnol Ribeiro tem 23 anos e é natural de Minas Gerais, da pequena cidade de Pouso Alegre. “Eu havia me formado e queria fazer uma faculdade pública, e como eu tinha uma namorada em Guarapuava, decidi vir pra cá”, conta. Ele está há mais ou menos cinco anos na cidade, e seu envolvimento com o movimento estudantil aconteceu gradualmente. “Eu já era próximo das causas políticas desde mais novo, já que meus pais eram engajados politicamente”.
E, quando chegou em Guarapuava e começou a cursar história, Pedro iniciou sua história dentro do movimento estudantil da Universidade Estadual do Centro-Oeste, a Unicentro. “No meu primeiro ano de faculdade em participei por cima do Centro Acadêmico do curso, mas foi no final de 2012 que eu conheci a galera dos movimentos aqui da cidade, esse pessoal mais da esquerda”, explica. Segundo Pedro, há uma falha muito grande dos movimentos estudantis em não promover uma discussão política mais ampla, e, para mais além, esse é um problema de toda a região de Guarapuava. “Veja o Centro Acadêmico, por exemplo. A parte mais difícil é organizar alguma discussão política, trazer o pessoal e promover essas conversas, para pensar conjuntamente um projeto novo de universidade”.
Mas, uma coisa que não pode ser deixada de lado quando se pensa no engajamento político dos jovens, tanto dos secundaristas quanto dos universitários, são as ocupações que emergiram no início de outubro no Paraná. E isso é algo que vai de encontro com o que Pedro diz, afinal, foi possível ver uma vontade coletiva de se pensar o ensino de uma forma diferente. “As coisas estão mudando, isso ninguém pode negar. E vai ser muito legal, sabe? É inevitável. Pelo menos um amigo seu ou alguém que você conhece participou de uma ocupação, e isso vai trazer novamente a discussão político para o movimento. Não tem como esses alunos entrarem na universidade e não questionarem o modelo que está aí”. E falando em ocupações, Pedro participou da ocupação do campus Santa Cruz, da Unicentro, que durou 26 dias. “Essa universidade não deve ser pensada por Aldo, Osmar, Richa ou Temer, quem precisa pensar a Unicentro somos nós, os estudantes”, disse ele num discurso para os ocupantes, na noite do dia 21 de outubro. E, um dos ganhos da ocupação foi a abertura de diálogo para a criação da comissão de direitos humanos da universidade, e ele está participando das discussões. “É importante ter um órgão que humanize a universidade, porque até então nós somos tratados como um protocolo… ‘ah, eu sofri um caso de racismo?’, eu protocolo. Eu viro mais um número, e isso não pode acontecer.”
“São altos e baixos, e são coisas que vou levar sempre na vida. O movimento estudantil me propiciou, por exemplo, participar do julgamento do quilombo Paiol de Telha, que foi lá em Porto Alegre, e a gente pode acompanhar”, conta Pedro, que acredita que essas são experiências indissociáveis do movimento estudantil em si, que valem muito mais que uma trajetória política em si. “É preciso pensar a instituição”, ele insiste em dizer.  Isso porque, como o próprio Pedro explica, as pessoas fazem política - mas não assumem. “Votar, ignorar o voto, e participar do movimento estudantil… isso tudo é política. E eu gosto de participar porque não me coloco como alguém neutro, eu me posiciono. E quem me deu essa clareza foi o movimento”. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…