Pular para o conteúdo principal

Trem de Ferro, de Manuel Bandeira

O poeta Manuel Bandeira (1881-1968) nasceu na cidade do Recife, Pernambuco, no dia 19 de abril de 1886. Publicou seu primeiro livro "A Cinza das Horas", de nítida influencia Parnasiana e Simbolista, no ano de 1917.  Em 1938, é nomeado professor de Literatura do Colégio Pedro II. Em 1940 foi eleito para Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira de nº24. Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho faleceu no Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro de 1968.
O poema "Trem de Ferro" foi escrito por Bandeira na década de 1930. O poema é muito conhecido, principalmente, pelas crianças, no entanto, parece que não foi escrito apenas para criança, apesar da linguagem de fácil compreensão, ele nos instiga a buscar a criança que mora dentro de nós, conduzindo-nos a uma viagem de trem. A linguagem coloquial é muito marcante no poema, tomemos como exemplo as palavras: "prendero", "canaviá", "matá", "mimbora". O uso desse tipo de linguagem valoriza a cultura nacional
Os versos fazem-nos acompanhar o andar do três, por exemplo: "Café com pão/ Café com pão/ Café com pão Virgem Maria que foi isto maquinista?". Ao lermos esse poema, temos uma imagem acústica que cria o som de um trem. O trem naquela época era muito utilizado, era o principal meio de transporte da agricultura, essencial para nossa economia. Além disso, temos aqui versos tetrassílabos, e pressupõem uma velocidade linear, e correspondente ao início de uma viagem. Nos versos seguintes, temos as palavras "muita força", que se repetem em três versos, e possuem três sílabas poéticas - Mui (1ª) / ta (2ª) / For (3ª) ça (não conta, pois é pós-tônica), o que dá a entender que o trem começa a andar mais rápido.
Neste poema, percebemos a influência do Modernismo, pois há o rompimento com as normas poéticas, versos livres e com menos rimas. Há uma buscar pela cultura popular, principalmente a nordestina. Aqui podemos citar uma cantiga antiga folclórica nordestina, denominada "Trem de Ferro": “O trem de ferro quando sai de Pernambuco vai fazendo vuco-vuco até chegar no Ceará Rebola pai, rebola mãe, rebola filha eu também sou da família também quero rebolá".
Por fim, notamos a melancolia do eu-lírico ao mencionar a saudades de sua terra e versos trissílabos continuam dando a ideia de velocidade e continuidade para a viagem, já que o poema termina com reticências.

Referências

BANDEIRA, Manuel. Bandeira de bolso: uma antologia poética. Organização e apresentação de Mara Jardim. Porto Alegre: L&PM, 2015



https://www.ebiografia.com/manuel_bandeira/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Quem tem medo da Serpente?

Reza a lenda que debaixo do solo Guarapuavano existe uma enorme serpente cujo corpo começa com a cabeça na Catedral e termina com sua cauda na Lagoa das Lágrimas.
A estória começou a ser contada em meados do século XX, por mães e professores que queriam meter medo nas criancinhas que cabulavam as aulas na escola que ficava entre a Catedral e a Lagoa (onde hoje é o Fórum) as fazendo ficar desmotivadas a continuar faltando à escola.
Essa lenda pode até não ter convencido as crianças da época, mas não se pode negar que hoje é uma das mais conhecidas da cidade, e certamente faz parte do lado cultural histórico de Guarapuava.
Como toda lenda que se preze, a lenda da Serpente da Lagoa das Lágrimas correu o tempo de boca em boca, aumentando um ponto aqui, diminuindo um ali, até que se criaram diversas versões dessa estória.
Há quem diga que sua cabeça estaria embaixo da Catedral, seu corpo sob o cemitério (que ficava entre a Catedral e a Lagoa) e seu corpo terminava com a cauda na Lagoa.…