Pular para o conteúdo principal

No caminho para o Palácio do Planalto

Era uma vez, três jovens que se chamavam Dilma, Serra e Marina, eles caminhavam pelo longo, assustador e traiçoeiro caminho da floresta que chegava ao Palácio do Planalto.

Dilma estava com mais pressa, porque seu companheiro a esperava, ele estava tão ansioso pela chegada de Dilma que até esqueceu as suas responsabilidades de comandar o Palácio.

Com toda sua força Dilma foi deixando Serra a alguns passos de distância e Marina ficou ainda mais atrás. Também estavam mais cinco jovens e um nem tão jovem assim fazendo o mesmo percurso, mas eles estavam tão atrasados que ninguém ligou ou se importou com eles.

Mas o caminho era tão denso e difícil de trilhar que Marina e os outros seis, se perderam, Marina não se conformou, pois, onde já se viu uma jovem como ela, que conhece tanto o “verde” se perder? E jurou com todas as suas forças que ela faria o mesmo caminho da próxima vez e nada a impediria se chegar ao seu destino.

E enquanto isso, Dilma e Serra competiam para ver quem chegava primeiro, Dilma foi mais rápida e cada vez mais foi se afastando de Serra, mas ela cometeu um erro: no caminho foi deixando pistas do que ela estava fazendo para poder vencer, e Serra tirou proveito disso, e assim conseguiu chegar mais perto de Dilma, mas não foi o suficiente.

Dilma chegou primeiro, e seu companheiro não poderia ter ficado mais contente com isso. Alguns aldeões que acompanharam o trajeto dos jovens dizem que Dilma usou estratégias não muito corretas para vencer, mas mesmo cortando caminho pela estrada “Lula”, não há como julga-La, pois nunca houve regras certas para decidir quem ganhasse essa competição, ela venceu, agora só resta saber se ela continuará com tanta disposição quanto ela teve para chegar no Palácio. Até agora...tudo bem...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…