Pular para o conteúdo principal

O inimigo agora é a corrupção


Mais maduro e estratégico, um novo Capitão Nascimento volta as telas para combater o crime organizado, agora como Subsecretário de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro. Mais uma vez, a luta contra o sistema é o principal objetivo de Nascimento e dentro do Estado fortalece o BOPE que afasta o trafico de muitas favelas e impede que policiais corruptos faturem com as milícias. No primeiro longa de Tropa de Elite, a luta era contra os bandidos e policiais corruptos, agora se transforma numa batalha contra as milícias, em que policiais tomam a favela dos traficantes e enriquecem as custas dos moradores. O filme conta com cenas emocionantes da atuação do BOPE dentro e fora das favelas. A suposta morte de Nascimento, no início do filme, dá um clima de suspense que leva qualquer pessoa esperar atenciosamente pelo desenrolar da historia. Mas quem pensa que o alvo são traficantes e policiais corruptos está enganado. José Padilha consegue o inesperado, atacar a todos, a estrutura política que facilita o sistema de mortes, tráficos e inclusive aqueles que alimentam a política brasileira, inclusive nós, eleitores. Esse é o novo longa, “Tropa de Elite 2 – O inimigo agora é outro” que foi sucesso nos cinemas e já está disponível em DVD e Blue Ray.

O diretor José Padilha e o roteirista Braulio Mantovani construíram uma história atual, baseando-se nas milícias existentes no Rio que assombram famílias oferecendo proteção. O outro lado, fictício é a historia da vida de Capitão Nascimento, sua solidão e os problemas que enfrenta dentro de casa, como a cena em que o filho é preso com maconha.

Inspirado no livro A Elite da Tropa 2, de Rodrigo Pimentel, Tropa de Elite 2 mostra um novo desafio e um novo sistema que se reiventa e descobre como lucrar sem o intermédio do tráfico. Em perseguição a isso, o público acompanha Nascimento indo além dos limites do quartel, revelando as ligações das milícias com o Estado. E o preço por essa descoberta é alto. 

Mais do que um filme de ação, o novo longa de José Padilha é fundamental para se entender os problemas não só da segurança pública, mas de todas as mazelas sociais. O sentimento de revolta é resultado do filme que mostra a corrupção que gera mortes e atrasos a nossa sociedade. Quando Nascimento, na tribuna da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, contesta os deputados e diz que os problemas estão na política, todos sentimos culpados por eleger corruptos e contribuir para um sistema que favorece o lucro pessoal, a corrupção os problemas de nossa sociedade.




ELENCO:

Wagner Moura, Irandhir Santos, André Ramiro, Pedro Van Held, Maria Ribeiro, Sandro Rocha, Milhem Cortaz, Tainá Müller, Seu Jorge, André Mattos, Fabrício Boliveira, Emílio, Orcillo Netto, Jovem Cerebral, Bruno D´Elia.

FICHA TÉCNICA:

Direção: José Padilha
Roteiro: José Padilha e Bráulio Mantovani
Argumento: José Padilha, Bráulio Mantovani e Rodrigo Pimentel
Produção: José Padilha e Marcos Prado
Produção Executiva: James D’Arcy e Leonardo Edde
Direção de Produção: Katiuscha Melo e Edu Pacheco
Preparação de Elenco: Fátima Toledo
Direção de Fotografia e Câmera: Lula Carvalho
Direção de Arte: Tiago Marques Teixeira
Figurino: Claudia Kopke
Maquiagem: Martin Macías Trujillo
Efeitos Especiais: Bruno Van Zeebroeck, Keith Woulard, Rene Diamante e William Boggs
Som direto: Leandro Lima
Montagem: Daniel Rezende
Edição de som: Alessandro Laroca
Mixagem: Armando Torres Jr.
Trilha sonora: Pedro Bromfman
Empresa produtora: Zazen Produções Audiovisuais LTDA
Coprodutores: Wagner Moura e Bráulio Mantovani
Coprodução: Globo Filmes, Feijão Filmes e RioFilme
Patrocínio: Claro, Net, CSN, Brahma, Riachuelo, Samsung, Unimed, Cinpal, Hotéis
Marina, Rede D´OR e Governo do Estado do RJ
Apoio: ANCINE, Prefeitura do RJ, Pólo Cinematográfico de Paulínia e Telecine
Assessoria de Imprensa e Redes Sociais: Belém Com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…