Pular para o conteúdo principal

Uma trilogia que não sai de moda




Envolvente e cativante são apenas duas entre tantas qualidades que podem definir a trilogia do Poderoso Chefão, dirigido por Francis Ford Coppola, a mais premiada de todos os tempos, que nunca foge das locadores, dos lançamentos e relançamentos em DVD e agora em Blue Ray. Os três filmes são baseados num livro de Mario Puzo, The Goddather, que no Brasil ficou mais conhecido como O Poderoso Chefão, em vez da tradução que quer dizer padrinho.

A trilogia começa com a história da mais poderosa família da máfia de Nova Iorque e Nova Jersey, os “Corleone”, que, liderados por Vito Corleone (Marlon Brando), se desentendem com outros clãs, dando início a uma guerra entre os mafiosos. Quando o chefe Colerone fica debilitado, Michael Corleone (Al Pacino), seu filho mais novo, assume o controle. Após o falecimento de seu pai, Michael trama o assassinato dos líderes das principais organizações mafiosas, para que os Corleone voltem a ter o controle do crime organizado.

Na sequência, o filme mostra a saga de Michael à frente da família, que passa por situações delicadas devido a traições de pessoas muito próximas, incluindo seu próprio irmão, Fredo. Mas o ponto alto do filme é a história de Vito Corleone, que é contada em paralelo ao desenrolar da era de Michael, mostrando desde sua dramática infância em Corleone, na Sicília, até seu início como chefão da máfia em Little Italy, Nova Iorque.

Já no último episódio da trilogia, Michael tenta legalizar os negócios da família Corleone e passar o controle para seu sobrinho, Vincent Mancini. Porém, as coisas não saem como o esperado, devido a divergências com outro chefe do crime, Joey Zaza, e a negócios suspeitos com a alta cúpula da Igreja Católica, o que obriga a Vincent, a armar mais uma série de atentados contra os inimigos dos Corleone.

O primeiro filme foi lançado em 1972, nos EUA, e concorreu ao Oscar de 1973 nas seguintes categorias: melhor ator coadjuvante, com James Caan, Robert Duvall e Al Pacino, melhor figurino, direção, montagem, som, trilha sonora, roteiro adaptado, melhor ator principal, com Marlon Brando, e melhor filme, ganhando nas três últimas categorias. O segundo filme, de 1974, foi o mais longo, com mais de 3 horas de duração, e o mais premiado pela Academia em 1975: melhor direção de arte, trilha sonora, roteiro adaptado, ator coadjuvante, com Robert De Niro, diretor, com Francis Ford Coppola, e sagrou-se como a única sequência a ganhar o Oscar de melhor filme. Além disso, o filme concorreu ao melhor figurino, melhor atriz coadjuvante, com Talia Shire, ator coadjuvante, com Michael V. Gazzo e Lee Strasberg, e ator principal, com Al Pacino. A última seqüência foi lançada em 1990, e foi o único dos três filmes que não recebeu nenhum prêmio da Academia, embora tenha concorrido nas categorias de melhor filme, diretor, ator coadjuvante, com Andy Garcia, melhor canção, montagem, direção de arte e fotografia.

São diversas as curiosidades sobre a produção, uma dela é que o autor do livro que inspirou o filme, Mario Puzo, participou da elaboração do roteiro juntamente com Coppola; outra é que o personagem de Vito Corleone foi o único a dar dois Oscar a atores diferentes, Marlon Brando e Robert De Niro; quando Brando ganhou o Oscar em 73, ele se recusou a participar da premiação, por causa de atitudes racistas do governo americano e de Hollywood contra os índios. Em seu lugar ele mandou uma atriz que se fez passar por índia americana, de nome Sacheen Littlefeather.

Os tres filmes podem ser encontrados nas locadoras numa bela embalagem e quatro discos, a saga da famiglia Corleone está muito bem representada em DVD. Todos os filmes possuem trilha de áudio comentada por Coppola (legendada). O grande diferencial para os colecionadores está mesmo no disco de extras. São quase quatro horas de material que inclui cenas removidas, árvore genealógica da família, fichas dos gangsters, anotações sobre a trilha sonora, desenhos de produção e muito mais, vale a pena conferir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…