Pular para o conteúdo principal

Osama is dead! Dead?


11 de setembro de 2001. Duvido que alguém com mais de 15 anos não lembre desta data e não saiba que assunto me refiro. A escalada do Jornal Nacional neste dia era assim: “11 de setembro de 2001. Uma terça-feira que vai marcar a história da humanidade. A maior potência do planeta é alvejada pelo terror (...)”. Neste dia, dois aviões seqüestrados colidiram com as Torres Gêmeas do World Trade Center, em Nova York.  Já outro avião chocou-se contra o Pentágono, em Washington, também nos Estados Unidos. Quase três mil pessoas morreram.
Líder da Al Qaeda e considerado o homem mais procurado do planeta, Osama Bin Laden conseguiu “sabe-se-lá-como” se ocultar da grande potência mundial por quase uma década. Era de se esperar que se escondesse em buracos onde só ratos se enfiam, mas ele foi além. Montanhas paquistanesas foram bombardeadas, fotos do terrorista foram digitalmente envelhecidas para tentar dar mais pistas, militares olhavam a população como se cada um tivesse um Osama dentro de si... enfim, o mundo ficou de cabeça para baixo e virado ao avesso atrás dele. De que adiantou? Ele parecia mágico fazendo coelho sumir.
No dia 1º de maio de 2011, à 0h27m pelo horário de Brasília, aquela vinheta que todo mundo detesta interrompeu o filme da madrugada. Opa! Coisa boa não vem por aí... ou vinha. Osama Bin Laden havia sido morto há poucos minutos em uma ação militar no Paquistão. “Isso aí é balela! Porque só depois de 10 anos o cara iria ser morto? Porque não antes?”, pensei comigo mesma.  Longe de teorias conspiratórias, é muito conveniente que o tal homem caia duro no chão a dezenove meses da próxima eleição norte-americana. Já dá pra começar a encomendar os panfletinhos...
Sabe o que também pode ser interessante? Para provar a veracidade da história contada, o governo diz que tem foto de Osama com a cabeça baleada. Mas não é muito moral divulgar, né? É uma coisa que jornalista nenhum faria. Também contaram pra população mundial que, como ele era muçulmano e nesta religião o corpo não pode ser enterrado mais de 24 hs depois da morte, fizeram o ritual embalando-o em faixas e depois embrulharam-no em um lençol branco. E jogaram o corpo no mar. Com pesos, é claro, para que ficasse bem quietinho “ardendo no fogo do mármore do inferno”, como já dizia o bom e velho Tio Abdul.
O tio Obama também foi esperto. Prometeu na última campanha presidencial que iria matar o Osama. E matou. Mas o Osama também foi. Tomou um chá-de-sumiço e deu dor de cabeça pro Obama. Ou será que o Obama deu chá-de-sumiço pro Osama? Sei lá, só sei que um deles faz a mágica do coelho. Espera aí, eu to falando do Obama ou do Osama? Os dois são Hussein. E eu não sei mais qual deles é o mais esperto.

Paula Fernandes

Comentários

  1. ótimo texto! :)
    acho curioso o modo como trucidaram com o Obama, como não se fala de um direito a julgamento, é inevitável não relembrar que NAZISTAS que cometeram e permitiram atrocidades à milhões, tiveram direito a um julgamento..
    essa é a parte em que fica um enorme ponto de interrogação..

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que ele tá vivo, só acredito vendo a foto.
    Acessem o http://riademim.blogspot.com/ ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…