Pular para o conteúdo principal

Uma viagem pelos sonhos...

Quantas vezes você já acordou no meio da noite com a cabeça confusa e se perguntando se sonhou ou se determinada coisa aconteceu mesmo? Ou ainda... Quantas vezes você já "sonhou que estava sonhando"?

Pois bem, depois de assistir ao filme A Origem, acredite, seus questionamentos irão muito além.

Apesar de o filme ser classificado no gênero ficção científica, engana-se quem pensa que ao assisti-lo encontrará criaturas bizarras, extraterrestres, mundos e planetas distantes em tempo e espaço, ou ainda, coisas com as quais não estamos acostumados. Pelo contrário, a trama se baseia em histórias de pessoas comuns num estado que é peculiar a todos: o sonho.
No filme do produtor, diretor e roteirista Christopher Nolan, Dom Cobb (Leonardo Di Caprio) é uma espécie de ladrão, que tem a capacidade de ir além dos limites da realidade e conseguir informações valiosas da mente das pessoas durante o sonho, quando o inconsciente se torna mais vulnerável.
Para isso, toda uma equipe fica responsável por reproduzir impecavelmente o palco de ação, criando toda a arquitetura necessária para que a pessoa não descubra que, na verdade, está num sonho forjado.
Roubar informações, para Cobb e sua equipe já virou rotina e fazem isso com nenhuma ou quase nenhuma dificuldade. Mas agora, sua tarefa se tornou um tanto quanto mais complexa. A equipe foi contratada para inserir uma ideia e fazer com que ela passe a influenciar o subconsciente ao invés de extraí-la.
O plano é minuciosamente montado, com todas as arquiteturas necessárias, todos cientes do papel que precisam desempenhar até que surgem os imprevistos, e dentro do sonho, eles precisam tomar decisões essenciais para cumprir a tarefa e poder voltar para a realidade.
Contar aqui mais detalhes e o encaminhamento da trama seria privar o espectador da emoção de entender e, de certa forma, se sentir integrante da trama.
Como é recorrente nas produções de Nolan, a narrativa requer maior atençao de quem a assiste e não se preocupa em manter os padrões, ao contrário, o desenrolar da história segue bem os moldes de um sonho, cheio de surpresas e acontecimentos que se desenvolvem ao mesmo tempo- um sonho dentro de outro sonho- onde o subconsciente e a realidade se encontram. A compreensão exige que o espectador fique atento a todas as informações fornecidas ao longo da trama.
Ainda como característica do diretor, vemos claramente a intenção de inserir em sua produção, uma pitada de mistério e a tentativa de despertar no espectador sua capacidade intelectual. Como podemos conferir também no filme Amnésia, lançado em 2000, em que Nolan conta a história de trás para frente.
Em A Origem, vemo-nos em uma narrativa que mexe com nossos instintos emocionais e racionais ao mesmo tempo, numa viagem onde realidade e sobconsciente por vezes se misturam.


Ficha Técnica:
Diretor: Christopher Nolan
Elenco: Leonardo Di Caprio, Ellen Page, Marion Cotillard, Michael Caine, Tom Berenger...
Produção: Christopher Nolan, Emma Thomas
Roteiro: Christopher Nolan
Duração: 148 minutos
Ano: 2010
País: EUA/ Reuino Unido
Gênero: Ficção científica
Estúdio: Warner Bros
Classificação: 14 anos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…