Pular para o conteúdo principal

Legalizar o aborto. E aí, você é a favor ou contra?

Essa semana um tópico nos TT's, uma lista em tempo real dos nomes mais postados na rede de relacionamentos Twitter, chamou a atenção dos internautas. A hashtag #legalizaroaborto recebeu muitas críticas e elogios.

E você? É a favor ou contra a legalização do aborto?

Eu, segundo meus conceitos e minha opinião, sou contra. Eis aqui meus motivos: primeiramente, acredito que, legalizando esta prática a irresponsabilidade das pessoas vai ser ainda maior no quesito proteção contra gravidez, pois já que o aborto está legalizado, não faz mal se a menina engravidar. Falaram que seria bom legalizar porque as mulheres parariam de buscar clínicas clandestinas e, assim, poderiam ter sua saúde preservada. E eu questiono novamente: quem busca clínicas clandestinas são as adolescentes/crianças/mulheres que sofreram estupro, que correm risco de vida para com elas ou para com o feto ou quem busca clínicas clandestinas são justamente as meninas e mulheres que não querem, não podem ter ou contar aos pais que estão grávidas?

A lei ampara essas mulheres, crianças ou adolescentes que foram estupradas. Depois de avaliações, levando em conta o risco de vida da mãe, do feto ou de ambos, ela tem o direito de abortar, com profissionais e com segurança. Não precisam de clínicas clandestinas.

Você ainda é a favor da legalização do aborto?

Então, preste bastante atenção nos acontecimentos abaixo:

O pai é asmático, a mãe está tuberculosa. Têm quatro filhos. O primeiro é cego, o segundo é surdo, o terceiro morreu e o quarto tem tuberculose. A mãe está grávida de novo. Você recomendaria o aborto nesta situação?

Um homem branco viola uma menina negra de 13 anos que ficou grávida. Se você fosse o pai desta jovem, recomendaria o aborto?

Uma senhora está grávida; já tem muitos filhos e dois deles morreram, o seu esposo está na guerra e a ela resta pouco tempo de vida. Você recomendaria o aborto a esta senhora?

Um pastor e a sua esposa enfrentam problemas econômicos muito fortes, já têm 14 filhos, são realmente pobres. Considerando a sua extrema indigência, você recomendaria que a mulher abortasse o seu décimo quinto filho?

Uma jovem está grávida; não está casada e o seu noivo não é o pai do bebê que está esperando. Neste caso, você recomendaria que ela abortasse?

Se você respondeu que sim para todas as questões:

No primeiro caso, você teria ajudado a matar um dos músicos mais brilhantes do universo: Beethoven.

No segundo caso, você teria ajudado a matar uma das cantoras negras mais famosas do mundo: Ethel Walters

No terceiro caso, você teria ajudado a matar um homem que foi enviado por Deus para atuar na história da humanidade: Papa João Paulo II

No quarto caso, você teria ajudado a matar um dos grandes pregadores do século passado: John Wesley

E no quinto caso, sabe quem você teria ajudado a matar? Jesus Cristo.

Todos temos direito à vida. Enquanto um aborto acontece numa clínica clandestina, centenas de pais no mundo todo dariam tudo para ter um filho.


Comentários

  1. Olá.

    Esse assunto é polêmico, mas acredito que deve ser discutido. As posições sempre serão à favor, por alguns e contrárias, por outros.
    Sou à favor, e acredito que quem deve decidir é a mãe ou os geradores.
    Seus exemplos ficam no "se", relacionadas a pessoas exemplares.
    E "se" a mãe de Nero, Imperador Romano, tivesse abortado?
    E "se" a mãe de Bush (pai) tivesse abortado?
    E "se" a mãe de Hitler tivesse abortado?

    Em alguns casos, como você citou, a lei permite. Mas acredito que fica a maior discussão pelos motivos religiosos.

    Parabéns pela postagem, mas gostaria de lhe provocar:

    - Muitos acreditam ser um crime, por se tratar de um inocente, impossibilitado de se defender.
    - E quando a pessoa decide morrer, como em alguns casos de eutanásia? Você é a favor ou contra?

    Fica o convite para visitar o meu blog:
    http://dadosecki.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada pela leitura e por ter comentado!
    Meu objetivo com o texto não era mudar a opinião de quem é a favor, e sim fazer ver o outro lado.
    Em relação a eutanásia, creio que deve-se levar em conta vários fatores. Porém, decidir sobre si é diferente de decidir sobre o outro, como acontece com o aborto.
    Novamente, agradeço a leitura!

    ResponderExcluir
  3. A opinião do Daniel Donato é bastante sensata ... E Hitler, Mussolini,Médici, Mengele, Mao Tse Tung, Stalin, Nero, e tantos e tantos outros seres sanguinarios, criminosos que ajudaram (e ajudam) a dizimar a raça humana ? O aborto é mais que uma discussão calorosa, devemos deixar nossos dogmas e paixões antes de nos entregar a este assunto tao delicado. Julgar alguem de uma posição confortavel parece ser facil. Quais são as razões para uma mae abortar ? O que está realmente oculto diante deste ato ? Miséria ? Cultura ? Má alimentação ? Violencia ? Não sei ao certo ...
    Alexandre Fernando de Sousa
    Enfermeiro \ Guarapuava PR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Alexandre!Precisamos ampliar nossa visão de mundo, conhecer a realidade por diversos ângulos, para "nos entregar a este assunto".
      Debora Gaya.
      Enfermeira/Florianopolis SC

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…