Pular para o conteúdo principal

Quando eu era jovem






Querido Diário,


Hoje é dia 10 de setembro de 2061, e eu estou com 70 anos. Sentada sobre uma cadeira de balanço na varanda da minha casa, comecei a olhar algumas fotografias antigas de quando eu era jovem.
Meus olhos se fartaram de água quando lembrei-me da minha infância.

Sem computador, eu costumava brincar com minhas amigas no meio da rua, jogávamos futebol, vôlei, esconde-esconde. Roubávamos as frutas do vizinho da esquina e elas pareciam ter o melhor sabor do mundo. Minha mãe chamava “Filha, vem pra casa!” quando já era tarde da noite, e era assim, gritado mesmo e não por celular ou afins. Depois quando ganhei meu primeiro computador achei maravilhoso, mas continuava dando mais importância ao convívio pessoal e não virtual. Mais velha, eu ia a casa das minhas amigas para conversar sobre a aula, sobre os meninos, sobre outras meninas.
Eu vivi numa época em que se sujar fazia bem, eu gravava as músicas que tocavam no rádio num objeto chamado fita cassete. Eu fazia bolo de barro, assistia a desenhos na TV.
Hoje, ah, hoje está uma bagunça. Com essa tecnologia, as crianças não brincam mais na rua, mas sabem tudo sobre internet. Não fazem bolo de barro, elas comem essas comidas enlatadas e porcarias o tempo todo. Não se sujam, não dançam na chuva. Estudam desde pequenas para serem o mais inteligente possível e conseguirem um bom emprego fazendo alguma coisa pra mudar o planeta que, a propósito, começou a dar sinais de falência já na minha época, mas o número de pessoas que realmente fazia algo pra mudar a situação não foi suficiente.
Hoje, é mais fácil ver robôs do que pessoas nas empresas. Sentimento é algo que não se vê muito por aqui. Todos foram ficando automáticos, sistêmicos.
Eu vivia numa época em que se casava por amor, não por conveniência. Eu sabia o valor de cada pessoa, de cada gesto. Dava importância pras pequenas coisas. Dançava muito, sorria muito, tomava muito sorvete e comia muito chocolate.
Hoje, nada disso importa mais. Pra falar com alguém você aperta uma tecla, pra fazer tal coisa ativa tal comando.
Se essas pessoas soubessem o que estavam fazendo, não teriam permitido que tanta evolução acontecesse. Ninguém mais assiste à novela junto ou conversa tomando uma cervejinha e vendo futebol, ninguém mais tem aquele afeto que se via estampado no rosto.
Meu filho, preferiu não se casar. Só tinha olhos para a carreira e continua assim.
Não tenho netos para contar essas histórias, Davi é meu único filho e optou sucesso no lugar de família e eu não pude fazer nada.
O que me resta é aproveitar o que falta da minha vida com o meu velho companheiro, que está me servindo o chimarrão e ficar pensando que se eu pudesse voltar no tempo eu iria aproveitar bem mais os dias de sol, de chuva, ia dançar muito mais, beber muita água, conhecer os lugares deslumbrantes que existiam.
Se eu tivesse a chance de voltar, quando eu era jovem, teria dado ainda mais vida a minha vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…