Pular para o conteúdo principal

Guarapuava não tem cultura? Quem disse?

Passando pela rua um dia desses, encontrei um amigo. Conversa vai, conversa vem e ele desabafa indignado. “Guarapuava não tem eventos culturais, por exemplo, hoje não temos o que fazer”. A afirmação me deixou angustiado e logo comecei a pensar, mas será?

Guarapuava pode até não ter um teatro, não estar no circuito de shows nacionais dos popstars, mas convenhamos, a cidade está cheia de artistas, eventos e pessoas interessadas em produzir arte.

Este mês foi um exemplo disso. Tivemos o I Festival Cênico “Guarapuava abre as cortinas” organizado pelo artista Jones Guerra e realizado de 4 a 9 de novembro. O evento contou com o apoio do Sesc e reuniu grupos teatrais, companhias de dança e varias apresentações gratuitas. Jones destacou o evento como um marco para que aconteça mais festivais. “Tive muito apoio, faltou gente, público, mas tivemos apoio dos artistas, colégios, meios de comunicação, que seja o começo de muitos festivais ” afirmou o ator.


A última mostra neste ano do Cine Sesc em parceria com a o Grupo de Pesquisa em Cinema da Unicentro relembrou os filmes do ator Vicent Price entre 7 e 9 de novembro. De filmes como O Corvo, baseado na obra do escritor Edgar Allan Poe, até Doutor Morte, os longa metragens mostraram a ficção nos filmes de terror.

Organizado em comemoração aos 10 anos de Academia de Letras e Artes de Guarapuava, o I Salão de Artes Plásticas de Guarapuava está reunindo vários artistas daqui e de fora da cidade. As entradas são gratuitas e se encontram pinturas, esculturas a disposição de todos. Dentre eles as de Felipe Soeiro que expõe pinturas em acrílico e afirma ser uma oportunidade de mostrar o trabalho guarapuavano para fora. “Achei muito bom, porque a cidade tem uma historia, bastante pessoas lutando para que possamos ter um espaço de arte, a partir do momento que temos um salão assim reunimos artistas e levamos eles para fora da cidade” conta Soeiro.

Outra artista do Salão, é a pintora Silvia Mattos que tem dois quadros no Centro de Artes Iracema Trinco Ribeiro. Silvia elogiou o espaço e a importância do evento. “Para nós, artistas de Guarapuava é importante porque a gente não tem apoio, e o salão vem abrir muitas portas” conta a pintora. Quem faz o julgamento das obras é uma confederação de artes do Rio de Janeiro.


Muita coisa? No feriado da proclamação da república (15) o artista Dino Rocha, conhecido como Rei do Chamamé, esteve em Guarapuava apresentando a música sul-mato-grossense, pelo projeto Sonora Brasil, do Sesc. Nos dias 19 e 20, V Espetáculo de Balé. De 25 a 27, Walter Firmo, com 55 anos de carreira em fotografia estará em um workshop na cidade.

Fora tudo isso, mostras de fotografias que aconteceram em colégios de Guarapuava, como a do Colégio Tupy retratando problemas da cidade, o lançamento do livro do ex-prefeito Nivaldo Kruger no Congresso Nacional, estreias no Cine XV, o Museu da Agrária mudando de local, mostra de cinema do curso de Filosofia, enfim uma cachoeira de cultura apenas neste mês de novembro, que por sinal nem acabou.

Guarapuava tem sim, artistas conhecidos, desconhecidos, populares, do interior, aqueles que animam o culto, a missa, o baile e outros que pintam, escrevem, escultores. Enfim, o que a cidade precisa é de apoio a esses artistas tanto dos políticos, com a construção do teatro e investimento em cultura popular, como de nós, os que assistem.

A provocação que fica é: Será que Guarapuava não tem espaços culturais, ou somos nós que não participamos dos eventos, em sua maioria gratuitos, e não prestigiamos a arte de nossa cidade? Não sei, comentem.

Ou então envie um email para luaanchagas@gmail.com

Comentários

  1. Literalmente isso é uma caso de falta de cultura, no sentido lato da palavra, ou seja, hábito ou tradição...

    ResponderExcluir
  2. É caso de falta de uma divulgação adequada também

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

RESUMO DA OBRA "PONCIÁ VICÊNCIO", DE CONCEIÇÃO EVARISTO

A escritora Conceição Evaristo nasceu em Belo Horizonte, em 1946, numa favela no alto da Avenida Afonso Pena, como era uma área valorizada da capital, a população que lá vivia foi removida para outros bairros da cidade e da área metropolitana, para que novos prédios e ruas fossem construídos na região. Conceição carrega nas memórias acontecimentos e pessoas do seu tempo de infância, algumas vezes, participam de suas narrativas. Dona Joana, sua mãe, teve nove filhos, era doméstica e lavava roupas para fora, mesmo assim, encontrava tempo para lhes contar histórias que também fazem parte do acervo de Conceição Evaristo, que se diz nascida cercada delas. Enquanto estudava, a autora trabalhou de doméstica na capital mineira. Em 1971, formou-se professora no antigo curso Normal e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde foi aprovada em um concurso municipal para magistério e, posteriormente, no curso de Letras na Universidade Federal daquele Estado. Conceição Evaristo é uma das principa…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…