Pular para o conteúdo principal

Revisitando Guarapuava



(Nincia Cecilia Ribas Borges Teixeira)


Ao pôr-do-sol em Guarapuava, imagens da cidade povoam minha memória...
Guarapuava do Clube Guaira, dos pedalinhos na Lagoa, das caminhadas no lago, dos passeios no Jordão, das voltinhas na XV...
Guarapuava do Colégio Belém, do Carneiro Martins, do Visconde, da Unicentro ...
Guarapuava dos que se dedicaram e se dedicam a formar Guarapuavanos: Tia Même, Professor Airton, Professor Chiquinho, Professora Neonila, Professor Jamil...
Guarapuava dos profissionais da saúde, dos médicos da família de ontem e de hoje: Dr Frederico, Dr Elói, Dr Ubirajara, Dr Saciloto, Dr Brum..
Guarapuava dos imigrantes, de todas as línguas, de todas as culturas,
Guarapuava dos que acreditam no poder da palavra: Mauro Biazi, Cristina Esteche, Jorge Teles, Francisco Carboni...
Guarapuava das artes plásticas, do Kundun, do Coral da Unicentro, da Banda Municipal, do artesanato, do Arte&Manha, do Palhaço Goiabada...
Guarapuava das tradições, festa de Nossa Senhora de Belém, churrasco de Igreja, das festas juninas, da Catedral iluminada no Natal, da Expoguá...
Guarapuava dos que brilham lá fora: Marcele Bittar, David Tavares, Valdir Cruz
Guarapuava  esportiva: do Rugby, do xadrez, do tiro esportivo, do futsal, das corridas de rua,  do vôlei, do saudoso Batel...
Guarapuava   das expressões e falares: “ Lôco de bão”, “já é bonito”,” Adêêê???”, "Há de ser, capaiz?" "um abraço pro gaiteiro","mais é um bocó" ,"comi uma vina" "eu tenho um guapequinha, " tá me atacando os nervo piá”.
Guarapuava dos problemas sociais...  Guarapuava da exclusão... 
Guarapuava, esta Terra tem dono, mas também tem dona, moça bonita, tem a turma do Senadinho, do CTG, tem “mano” tem “mina”, “mauricinho” e “patricinha”, tem criança brincando, tem gente acordando com o Jauri....
Guarapuava, de um povo que luta, que ama viver aqui e que não se deixa abater pelas adversidades...
 Guarapuava de um povo ordeiro e trabalhador que ao nascer do sol, constrói um tijolo a mais na construção de sua História.
Parabéns, Guarapuavanos e Guarapuavanas, por acreditarem na Terra de Guaicará, dos Joões, das Marias, das Luisas, dos Gustavos, das Anas, das Júlias, dos Pedros, dos  Josés...

Comentários

  1. Essa é a minha cidade!!!
    Não é perfeita mas é capaz de encher de orgulho.
    Viva a cidade coração!!!

    ResponderExcluir
  2. Regina A. Gonçalves9 de dezembro de 2011 11:06

    Parabéns a Guarapuava... E a todos que nela e dela vivem e revivem suas histórias. A Cidade em que quase todos conhecem uns aos outros e por ela são capazes de lutar por um futuro melhor.

    ResponderExcluir
  3. gislei maria rigoni9 de dezembro de 2011 11:12

    muito bom, adorei.

    ResponderExcluir
  4. Professora Nincia,
    lindas e sinceras palavras.
    Emocionado e orgulhoso fiquei ao ler (com vagar)esta síntese da vida guarapuavana.
    Rui M Carneiro-Guaratuba

    ResponderExcluir
  5. Simplesmente arrebatador... Valeu colega Níncia...(AJP)

    ResponderExcluir
  6. Esqueceu de falar dos políticos corruptos também

    ResponderExcluir
  7. Guarapuava é aqui que eu moro, MOACIR FELIX.

    ResponderExcluir
  8. Eu queria morar numa praia bem legal mais por enquanto vou ficando por aqui, MOACIR FELIX.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…