Pular para o conteúdo principal

Ler é preciso

Amanda Lima

Lembro-me da minha infância. Terceira série do ensino fundamental. A ida coletiva da turma até a biblioteca acontecia uma vez por semana, mas eu lia o livro que emprestava em bem menos tempo que isso. Com o passar do tempo, ia sozinha, quase todos os dias. Esse hábito de ler, que aqui escrevo, não é para dar ar de superioridade, para mim isso não existe. É só uma maneira de mostrar que sim, a leitura se começar cedo, traz inúmeros benefícios e há muitas pesquisas científicas que comprovam isso.

A biblioteca, local que guarda essas relíquias, sempre foi um lugar místico. O silêncio, a organização, o ar calmo e inspirador que esse ambiente sempre trouxe para mim. Na época também, o uso de computadores era limitado. Não havia internet, nem facebook, nem orkut, nem videogame como os de hoje. O fato de não existirem esses artifícios, ajudou muito a quem teve a sorte de ter que ficar horas em uma biblioteca procurando dados que hoje se tem com alguns segundos em frente ao computador.

Não vou falar dos benefícios a longo prazo que a leitura dá, como facilidade na hora de escrever um texto, fato fundamental na hora de conseguir passar no vestibular, ou conseguir um emprego.
Falo de prazer. Não conseguia acreditar na cara das pessoas, ao ouvirem a professora pedir para ler um livro para fazer um trabalho. É claro que ninguém vai gostar de todos os tipos de literatura, mas era visível a cara de reprovação ao saberem que teriam que por a cara em alguma leitura mais profunda que aquela do dia-a-dia, como placas nas ruas e aquilo que estava no quadro negro. (É, datashow nem pensar, amigos) .

Leitura é prazer, é emoção. E você pode escolher o tipo de livro que quiser, para ter a emoção que quiser. Pode ler García Marquez, para viajar em um mundo de mágica e ao mesmo tempo realidade, Sidney Sheldon  para ter adrenalina, Shakespeare com seus romances que embriagam. Não há nada melhor para estimular a imaginação do que a leitura. Para sair do estresse, para se sentir bem, mais forte, mais confiante. Para se sentir parte do mundo.

Ler não tem idade, não tem classe social, não tem preconceito. Esses dias até me emocionei ao ver uma reportagem sobre uma catadora de lixo que conseguiu passar no vestibular de uma universidade federal, estudando sozinha.

Quem tem o hábito de ler, lê  tudo. Lê jornal, revista na sala de espera do dentista, bula de remédio receita de bolo, lê o panfeto que ganha na rua. Carrega também um livro na bolsa ou mochila, afinal nunca se sabe se o onibus  irá atrasar, se a aula vai demorar um pouco para começar. Qualquer hora, é hora de ler.

Ler me fez uma criança esperta, uma adolescente inquieta, atuante e que não conseguia ficar muito tempo sem adquirir conhecimento, e porque não, uma adulta no caminho para ser jornalista com fé de que vai escrever para alguém, durante toda a vida.
Ler pode fazer você ser quem quiser. Acredite.


Comentários

  1. Gostei muito do post. E é bem verdade o que disse, a cara de espanto e desgosto das pessoas quando a professora dizia que iam ter que ler...aquilo me incomodava. E quando eu falava que gostava de ler?! Me olhavam como se fosse um extraterrestre.
    Infelizmente, parece que hoje isso está mais evidente e acentuado, ainda. Ninguém quer ler nada a não ser as páginas do orkut e do facebook...e isso é tão triste, na minha opinião.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…