Pular para o conteúdo principal

Fazendo da arte uma fonte de renda


Karoline  Fogaça 

Hoje no Brasil, o salário mínimo é R$ 622 e só esse valor não basta para que o brasileiro consiga pagar todas as suas contas básicas e ainda tenha uma vida confortável. Por isso, muitas pessoas estão procurando fontes alternativas de ganhar dinheiro para aumentar a sua renda mensal. Pensando nisso, muitos procuram cursos de artesanato para conseguir esse aumento.

Silvana fazendo caixas de mdf
Silvana Virmond é uma empresária do ramo de artesanato em Guarapuava, tem há 6 anos uma loja, na qual oferece cursos sobre isso. Ela conta que começou a trabalhar desde cedo e teve uma empresa em outro ramo que teve que fechar: “Eu senti a necessidade de extravasar, de fazer algo diferente. Sempre procuramos algo que nos satisfaça e na realidade comecei com pintura em tela aí acabei entrando no mundo do artesanato, conhecendo outras técnicas e outros tipos de trabalho para fazer”.

Em sua loja, Silvana oferece cursos principalmente de decoupagem, que é uma técnica de colagem em madeira, tanto de papéis quanto de tecidos, oferece também cursos de arte francesa, que é uma técnica que utiliza recortes para montar uma figura com terceiras dimensões.

Pensando nessas fontes de renda alternativa, ela conta que algumas pessoas procuram os cursos para realmente vender as peças que produzem, mas também para outras finalidades: “Tem aqueles que procuram as técnicas e os materiais para utilizar em outras áreas. Temos uma procura grande homens que compram o verniz vitral, que é um verniz especial para acabamento no artesanato, para usar em recuperação de capacetes”. Hoje, o artesanato consegue abranger, pela sua variedade de materiais e aplicações existentes, muitas pessoas.

Além da restauração, o artesanato serve também para outras atividades, Silvana fala que muitas professoras procuram os cursos em época de férias para inovar em sala de aula, pois, hoje em dia, se usa muito artesanato nas escolas, e ainda quem trabalha com festas infantis, quem procura lembranças de aniversário, casamento e peças de decoração. Essa é uma arte que acompanha o vai e vem da moda, que gera renda, traz ocupação e ainda pode servir de terapia para algumas pessoas.

O artesanato é recomendado para qualquer pessoa, desde a criança que está na educação infantil, para desenvolver coordenação e a paciência, até pessoas mais de idade, que querem ter uma atividade para se ocupar. Silvana fala que tem clientes jovens e clientes mais velhas que estavam acostumadas a trabalhar, mas, depois que se aposentam, sentem necessidade de ter uma atividade, então qualquer pessoa que gosta de trabalhar com as mãos e quer aprender algo novo pode fazer.


Comentários

  1. Será que tem como vocês colocar o endereço ou telefone desta loja q dá cursos?

    Obrigada!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…