20.11.12


A Pele que Habito


A Pele que Habito  é um dos dramas mais recentes lançados pelo espanhol Pedro Almodóvar, diretor conhecido por suas histórias envolventes, personagens interessantes e cores vibrantes.

Não sou nenhuma especialista em cinema, longe disso, mas mesmo assim, indico o drama a todos aqueles que me perguntam "já assistiu a esse  filme?". As razões são óbvias, acredito que Almodóvar é um diretor que vale a pena ser explorado por conta de toda a sua singularidade, histórias como Volver, Má Educação e Tudo Sobre Minha Mãe  são filmes que todos os apaixonados pela sétima arte devem riscar de sua listinha "tenho que assistir".

Antônio Bandeiras da vida ao personagem principal, o cirurgião plástico Robert Ledgard, um homem misterioso, obcecado pelo trabalho e com lembranças que o atormentam e guiam muito de suas atitudes até os dias atuais.

Para explicar o ponto chave do filme, Almodóvar envolve personagens como o Zeca, o Tigre, filho de Marília, governanta da casa de Ledgard. Não posso deixar de mencionar Vera, uma mulher idealizada que vive em cativeiro na casa do cirurgião, todos eles são peças importantes que ajudam o telespectador a desvendar o emaranhado criado até certo momento do longa e que aos poucos vai ganhando forma e fechando a história surpreendentemente.

Tendo como referência a obra Mygale, um romance de Thierry Jonquet publicado em 1984, o diretor trata de maneira ficcional temas como sexualidade, corpo, diferenças de gênero e vingança, revelando um Almodóvar frio e de cores atenuadas.

Carol Coleto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
| Design by Free WordPress Themes and Kurpias| Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes and Kurpias |