Pular para o conteúdo principal

Branca de Neve e o caçador


Neste ano, mais um dos grandes clássicos infantis saiu dos livros para a telona. Dirigido por Rupert Sanders, Branca de Neve e o caçador, conta a história da belíssima rainha Ravenna (Charlize Theron), que obcecada pela sua beleza e juventude, mata pessoas maldosamente para adquirir imortalidade.
      A trama inicia no reinado da primeira rainha, Eleonor (Liberty Ross), mãe de Branca de Neve. Acidentalmente, ela corta o dedo ao tentar pegar uma rosa vermelha em meio à nevasca. As famosas três gotas de sangue descritas na história dos irmãos Grimm, caem do dedo da rainha e atingem a neve. Em meio à situação, ela faz um pedido: ter uma filha Branca como a Neve, com a boca vermelha igual o sangue e cabelos pretos iguais a um corvo. O pedido se torna realidade, então nasce Branca de Neve, interpretada pela Bela de Crepúsculo, Kristen Stewart. Por conta do inverno rigoroso, a bela rainha acaba morrendo.  
          Aproveitando a fragilidade do rei Magnus (Noah Huntley), um exército invade a cidade. Durante a batalha Magnus encontra uma prisioneira e se encanta com a beleza da moça. No dia seguinte,  ela se torna a rainha e após receber o trono, mata o rei. A partir daí, Ravenna busca dia após dia manter seu poder e juventude. Para isso,  tranca Branca de Neve em um calabouço com o intuito de elimina-la do seu caminho. Mas, a rainha má não esperava que ao perguntar ao seu espelho quem era a mulher mais bela do reino, fosse receber como resposta: Branca de Neve. Para conseguir a imortalidade, ela precisa arrancar o coração da moça.
         A partir daí,  a trama ganha muito mais ação. O irmão e comparsa de Ravenna tenta levar Branca de Neve para rainha, mas ela escapa, encontra um cavalo branco e fica presa na floresta negra. Então surge o caçador interpretado pelo belíssimo Chris Hemsworth, que a mando da rainha, tenta matar Branca de Neve. Mas, ele sente piedade da moça e fica disposto a protegê-la a qualquer custo. Como não podia faltar, até os sete anões aparecem para ajudar a princesa.
Entre idas e vindas, a inocente princesa come a maçã envenenada pela rainha, que continua envelhecendo cada dia mais. Todos acreditam que Branca de Neve morreu. Neste momento,  acontece um diferencial na história, não é o príncipe William (Sam Claflin) que consegue acordar a princesa com um beijo, mas sim, o forte e corajoso caçador. A reavivada Branca de Neve se torna guerreira e volta com mais força ainda para enfrentar a rainha.
Elas travam uma luta no castelo e Branca de Neve fere Ravenna, deixando as três gotas de sangue caírem sobre sua armadura. O feitiço que acompanhava a rainha acaba se desfazendo, e por conta disso, ela morre. Para finalizar em grande estilo, a princesa volta ao reino e recebe seu tão merecido trono.
        O filme é muito bem produzido e no quesito efeitos especial acaba surpreendendo o público. A atriz Kristen Stewart, interpretou muito bem o papel de Branca de Neve. A ambientação medieval e sombria do longa torna-o mais próximo do descrito nos livros. O filme só deixa a deixa a desejar no quesito romance, onde a bela princesa se envolve tanto com o príncipe quanto com o caçador.

Jéssica Lange

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DA OBRA "VÁRIAS HISTÓRIAS", DE MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família pobre e mulato, sofreu preconceito, e  perdeu a mãe na infância, sendo criado pela madrasta. Apesar das adversidades, conseguiu se instruir. Em 1856 entrou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Nacional. Posteriormente atuou como revisor, colaborou com várias revistas e jornais, e trabalhou como funcionário público. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Algumas de suas obras são Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, O Alienista, Helena, Dom Casmurro e Memorial de Aires. Faleceu em 29 de setembro de 1908.
Contexto Histórico
Várias histórias foi publicado em 1896, fazendo parte do período realista de Machado de Assis. Os contos da obra são profundamente marcados pela análise psicológica das personagens, além da erudição e intertextualidade que transparecem, como por ex., referências à música clássica, a clássicos da literatura, bem como a histórias bíb…

Lendas de Guarapuava

Por Elis Oliveira
Há quem acredite que Guarapuava é uma cidade permeada por lendas. Quem nunca ouviu alguém contar a sua versão para a lenda da Lagoa das Lágrimas, um dos lugares mais visitados da cidade, construída por volta de 1964 a 1968, ou a lenda da Capelinha do Degolado, muito conhecida pela região, que foi até tema de um programa de televisão no ano de 2010. Também tema lenda do Baile das Feias, sobre a passagem das tropas de Gumercindo pela nossa cidade, conta-se que no tempo dos maragatos da Revolução Federalista,Guarapuava,como outras cidades do Paraná, sofreram por fazer parte da rota das tropas que vinham do Rio Grande do Sul nessa época. Isso aconteceu por volta do ano de 1894 quando houve a fuga desses revoltosos. Segundo a lenda, a coluna de Juca Tigre e do Coronel Sancheseram era composta  de quinhentos homens que passaram por dentro da cidade para abstecerem-se de proventos, saqueando fazendas, levando animais e suprimentos e também cometendo grandes bárbaries amedron…

Pintores Paranaenses

A partir do século XIX, a pintura passou a se desenvolver no Paraná, incentivada por pintores como o imigrante norueguês Alfredo Andersen, e Guido Viaro, o segundo vindo da Itália. Ambos dedicaram-se ao ensino das artes visuais, além de pintarem suas obras inspiradas principalmente nas paisagens e temas do cotidiano paranaense. Responsáveis também pela formação de novas gerações de artistas no estado, como o exemplo de Lange Morretes, Gustavo Kopp e Theodoro de Bona, todos nascidos no Paraná.
Alfredo Andersen, apesar de norueguês, viveu muitos anos em Curitiba e Paranaguá, e ainda hoje é tipo como o pai da pintura paranaense. Foi ele o primeiro artista plástico atuar profissionalmente e a incentivar o ensino das artes puras no estado. Ele se envolveu de forma muito intensa com a sociedade paranaense da época em que viveu, registrando sua história e cultura. Rogério Dias, outro grande exemplo, sempre foi autodidata, sua trajetória artística tem sido uma soma de anos de paciente e inc…